Terça-feira, 15 de Junho de 2021

Ministra defende que criação do estatuto do cuidador informal tem que ser gradual

Marta Temido sublinhou a importância da proposta de definição de novas medidas, tendo expectativa de que o processo poderá estar concluído ainda nesta legislatura

-PUB-

A ministra da Saúde, Marta Temido, defendeu que a criação do Estatuto de Cuidador Informal tem que ser um processo pensado gradualmente.

“A proposta de lei do Governo tem o objetivo concreto de definição de medidas de apoio ao cuidador informal, mas construir uma política pública não é sempre um processo de transformação radical”, explicou a representante do Governo em Vinhais, durante a inauguração da Unidade de Cuidados Continuados do concelho, acrescentando que “há muitos bons exemplos de políticas públicas que começaram por projetos piloto e que depois foram alargando”.

 “O que se está a tentar fazer com esta proposta de lei é ter uma política pública de apoio aos cuidadores informais que mantenha o foco na pessoa cuidada e que, ao nível da saúde, tenha um conjunto de medidas de apoio à capacitação do cuidador informal, à garantia de contactos para o cuidador informal no sistema de saúde,  ao descanso e apoio, mas também um conjunto de medidas pensadas para avançar num processo gradual”, sublinhou, frisando que “não conseguimos fugir ao tempo e à necessidade que temos de ir avaliando o que vamos fazendo”.

Por fim, a ministra adiantou ter alguma “expectativa de que seja possível a Assembleia da República e as comissões parlamentares fazerem o seu trabalho ainda nesta legislatura, sob pena de não se poder avançar com os projetos piloto”.

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.