Terça-feira, 18 de Janeiro de 2022
©MF

Ministra lamenta atraso no plano de mobilidade da linha do Tua

A ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, esteve hoje à tarde em Mirandela, onde reconheceu que o processo para avançar com o plano de mobilidade para a linha do Tua sofreu um atraso.

-PUB-

A governante referiu que o ministério que preside, o da Ministério da Coesão, e do das Infraestruturas e Habitação, “já estão complemente acertados, só que o facto de não termos orçamento leva a que infelizmente a solução para o problema transite para o próximo Governo”, adiantando que é com “muita tristeza” que reconhece este atraso.

Ana Abrunhosa refere ainda que “gostaria de poder dizer que é um projeto turístico em andamento, mas não é, porque houve problemas pelo meio, que foram acentuados com a não aprovação do Orçamento de Estado para 2022”.

Apesar dos constrangimentos, a ministra garantiu que continua “empenhada” em resolver o problema “o mais rápido possível”. “Sinto o desespero dos autarcas, do território, que muitas das vezes por questões legais, que é aquilo que está em causa, nós não consigamos resolver no tempo que o território necessita”. No entanto, deixou o compromisso que com o novo orçamento “esta situação da mobilidade no Tua se resolva”.

O Plano de Mobilidade do Vale do Tua espera, há cerca de cinco anos, para receber luz verde para ser implementado, o que demonstra a complexidade burocrática dos processos, que envolve entidades regionais e nacionais, públicas e privadas, desde a CP, Infraestruturas de Portugal (IP), Instituto da Mobilidade Terrestre, a ADRVT que integra os Municípios abrangidos (Mirandela, Carrazeda de Ansiães, Vila Flor, Alijó e Murça) e a EDP.

Ana Abrunhosa visitou empresas na zona industrial de Mirandela.

 

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.