Quinta-feira, 7 de Julho de 2022

Miranda do Douro acolhe Cimeira Internacional de Música Sacra

A cidade de Miranda do Douro, no distrito de Bragança, vai acolher em novembro uma Cimeira Internacional de Música Sacra, que vai juntar músicos e compositores de "renome", avança a presidente da Câmara Municipal

“Esta será uma iniciativa internacional reformista de grande relevância histórica, que trará a Miranda diversos compositores e músicos de renome internacional, assim como distintas personalidades da área política, económica, musical e eclesiástica – oriundas de Espanha, França, Itália, Portugal, Inglaterra e Alemanha”, explicou Helena Barril.

Para esta “Cimeira Internacional da Música: Perspetivas para o século XXI”, foram anunciadas as presenças do presidente do Instituto Pontifício de Música Sacra, Roma, monsenhor Vicenzo di Gregorio, do diretor de música na Catedral de Westminster, Martin Baker, e do diretor do Coro da Universidade Pontifícia de Salamanca, Francisco Puerto.

“Está perspetivada uma grande cimeira de renome internacional, que vai colocar o Nordeste Transmontano no mapa dos grandes acontecimentos da música sacra”, explicou a autarca à Lusa.

Helena Barril disse que este evento internacional resulta do trabalho da Casa da Música de Miranda do Douro, com o apoio do município, da diocese de Bragança – Miranda, e acontece de 11 a 13 de novembro de 2022.

Por seu lado, o musicólogo Rui Valdemar, diretor de Música Sacra da Reitoria da Igreja de São Roque, em Lisboa, um dos mentores deste projeto, disse que o papel que a música sacra teve ao longo de dois séculos em Miranda, altura em que era sede da diocese, motivou a escolha do local para esta cimeira.

 “Miranda do Douro foi sede da diocese, que agora partilha com Bragança. Esta cidade tem uma catedral quinhentista, na qual a música sacra foi, durante dois séculos, vital e ricamente desenvolvida neste espaço”, disse o também organista titular da Concatedral.

De acordo com Rui Valdemar, o interior do país não está habituado a receber este tipo de eventos e especialmente estes, ligados à música sacra.

“O facto de trazermos algumas personalidades de relevo internacional, ainda por cima uma cimeira que pretende ser reformista e de papel ativo na transição que se quer fazer da música sacra, parece-me que é um papel muito importante que o interior assume, colocando-nos um passo à frente”, frisou.

Por seu lado, monsenhor Adelino Paes, administrador da diocese de Bragança-Miranda (que se encontra em sede vacante), referiu que a iniciativa pode contribuir para unir os dois pontos da diocese.

“A diocese olha para este evento com muita esperança porque a música sacra é um valor inestimável que nós não podemos esquecer. A música sacra, toda a música, toca o divino e o divino toca a música. É uma iniciativa que não podemos deixar de apoiar. A aproximação de Bragança e Miranda é importante”, concretizou o prelado.

Os envolvidos neste projeto deixaram a garantia de que uma conferência desta dimensão se trata de grande desafio para toda a região transmontana.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.