Quinta-feira, 7 de Julho de 2022

Miranda do Douro acolhe sábado desfile com 60 pendões ibéricos

A cidade de Miranda do Douro, distrito de Bragança, acolhe no sábado, um desfile ibérico de pendões, "peças únicas" que estão inteiramente ligadas as atividades militares e religiosas da região transfronteiriça

Os cerca de 60 pendões que vão integrar o desfile são estandartes ou bandeiras de grandes dimensões, usados em cerimónias civis, religiosas e militares.

Segundo a organização da iniciativa, que cabe ao município local, os pendões eram no passado ostentados em praticamente todo o reino de Leão, do qual esta região fez parte.

De cores onde predominam o vermelho carmesim (a cor do reino de Leão) e ainda o verde, o branco, azul, amarelo e creme, chegam a atingir 13 metros de altura.

Segundo o presidente da Câmara de Miranda do Douro, Artur Nunes, não foi “tarefa fácil” reunir tantos pendões com história e tradição para uma celebração que é “uma forma da união dos povos para o futuro”.

Segundo alguns investigadores da cultura mirandesa, os pendões existentes nos povoados de todo o território do antigo Reino de Leão, em que Miranda se integrava no passado, tiveram a sua origem nos pendões militares medievais que guiaram a reconquista cristã da Península Ibérica.

Ao perderem a sua função bélica, foram recuperados pela igreja e integrados nos rituais religiosos, assim chegando aos dias de hoje.

Os pendões ainda são usados em algumas aldeias e atos religiosos do concelho de Miranda do Douro, como a romaria do São das Arribas em Aldeia Nova, entre outras.

Os pendões são considerados o símbolo mais antigo das Terras de Miranda, a par do seu próprio idioma, o mirandês, e acompanham a história da região muito antes dos tempos da reconquista.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.