Sábado, 4 de Dezembro de 2021
®DR

Mundial de Ralicrosse garantido por mais três anos

Orlando Alves, presidente da Câmara de Montalegre, revelou que o mundial de ralicrosse deverá manter-se por mais três anos no concelho barrosão.

-PUB-

Em declarações à Lusa, o autarca revelou que “está alinhavado” o acordo manutenção do mundial com o promotor. “Tudo aponta para que possamos anunciar com segurança que iremos ter a prova por mais três anos”.
Apesar de considerar que um acordo por três anos é bom, o presidente disse que o ideal seria por cinco anos. “Três é bom, mas cinco é muito melhor. Já avancei com essa proposta, mas não vi grande recetividade, algo que compreendo”, sublinhou.

Depois de fechar o protocolo, a câmara municipal tenciona fazer obras de melhoria no Circuito Internacional, nomeadamente construir sanitários e gabinete médico. “Todos os anos, a autarquia faz um grande investimento nos espaços que servem de sanitários e de enfermarias sendo, portanto, obras urgentes a resolver”.

Após três anos de interregno, o autarca fez um balanço extremamente positivo do regresso do evento ao Barroso. “Estou muito satisfeito com esta presença massiva de entusiastas a Montalegre no fim de semana, além de projetar a modalidade, projeta a região para o mundo”, sublinhou.

Segundo a organização, ao longo das diferentes provas, cerca de sete mil espectadores passaram pelo circuito barrosão.

A prova portuguesa, no circuito que se situa no sopé da serra do Larouco, recebeu a antepenúltima etapa desta competição sob a alçada da Federação Internacional do Automóvel (FIA) e que tem como promotor a Rallycross Promoter GmbH.

O finlandês Niclas Grönholm venceu a corrida final da etapa portuguesa do Mundial de ralicrosse, à frente do líder do campeonato, o sueco Timmy Hansen, que, no entanto, aumentou a vantagem na classificação geral.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.