Terça-feira, 6 de Dezembro de 2022
No menu items!
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

O Natal, há mais de cem anos, em Trás-os-Montes

Molhos de vides para a lareira, bacalhau, açúcar, travessas de aletria, arroz, café e trigo. Era o presente dos ricos, para as famílias mais pobres, nos Natais longínquos de finais do séc. XIX, em Vila Real e em toda a região transmontana. O fumo mais abundante, saído das chaminés das casas mais abastadas, era sinal […]

PUB

Molhos de vides para a lareira, bacalhau, açúcar, travessas de aletria, arroz, café e trigo. Era o presente dos ricos, para as famílias mais pobres, nos Natais longínquos de finais do séc. XIX, em Vila Real e em toda a região transmontana. O fumo mais abundante, saído das chaminés das casas mais abastadas, era sinal típico da quadra natalícia, significando que havia mais gente, em casa.

 

“As panelas fervem com a sopa e o bacalhau e os tachos de cobre com o arroz doce”, assim definia Elísio Neves o bulício das cozinhas, naquela época, na sua “ficha”, no “Natal há cem anos”, em Vila Real. Documento que retrata, fielmente, a vivência ancestral natalícia.

“Nas mesas dos mais ricos e sobre toalhas de linho, havia vinho, aperitivos, frutas secas, comida importada, como carnes, doces, queijos, e frutos exóticos”.

Memórias que o tempo foi esboroando, e que, hoje, apenas são relíquias de uma era que se recorda, com alguma nostalgia.

 

Atenção aos pobres e aos presos e a vertente religiosa

 

Conta Elísio Neves que “um dos primeiros sintomas da chegada do Natal, a Vila Real, era o aumento do número de pessoas, a pedir, nas ruas” e “esboçavam-se movimentos diversos, para assegurar melhores consoadas à pobreza, nomeadamente à pobreza envergonhada (hoje, em franca ascensão), aos internados nos asilos, aos presos e outros excluídos da sociedade da época”.

Dos beneméritos, distinguia-se Joaquim Vitorino Oliveira que dividia o seu tempo entre Portugal e o Brasil e que era proprietário do “chalet” da Rua Dr. Augusto Rua, onde está instalado, actualmente, o Arquivo Municipal. Distribuía, nesse tempo, duzentas esmolas. O Clero também não se mostrava indiferente à sensibilidade da quadra e dois sacerdotes do Colégio de Nossa Senhora do Rosário, em 1900, deram doze castanhas a cada preso da cadeia de Vila Real.

Curioso é que, já nesta época, a Lotaria do Natal provocava ansiedade, entre aqueles que “jogavam”. Para ajudar à festa, as férias judiciais eram marcadas de 24 de Dezembro a 6 de Janeiro.

“As dificuldades dos Correios em assegurar um serviço eficiente, para responder ao aumento de tráfego postal próprio da época, eram evidentes, tantas as lembranças”.

A vida religiosa assumia uma vertente importante e evocativa da época.

“As festas de Natal começavam com a novena em honra do Menino Jesus, a qual se realizava na Igreja de S. Domingos. Aqui, havia um bonito presépio, como era o do Convento de Santa Clara. A quadra tinha um momento particular: as freiras que viviam em regime de clausura mantinham contactos “brevíssimos” com a população, através da sua participação em cânticos que acompanhavam com pandeiretas, ferrinhos e castanhetas. A Missa do Galo era celebrada na Igreja de São Domingos e na Capela Nova, na altura conhecida como Igreja dos Clérigos, com importante acompanhamento coral e instrumental. As festividades alusivas à quadra prolongavam-se até ao dia 1 de Janeiro, na Igreja do Convento de Santa Clara, ricamente ornamentada, para a celebração do mistério da Circuncisão do Redentor, com Missa Solene e Sermão, com acompanhamento musical do órgão e do Coro das Freiras.

 

Adaptação comercial ao espírito solidário da época

 

Até os políticos, na altura, aproveitavam para enviar os seus “recados”, através das Janeiras. Elísio Neves abordou, ao Nosso Jornal, alguns elementos constantes da “Ficha do Museu de Vila Real” da Tertúlia “História ao Café” e fez algumas breves comparações com o Natal vila-realense actual.

“Há realidades novas. Nesta cidade, com estas iluminações e sons de Natal, é tudo completamente novo, em relação ao que se passava, há cem anos. O Pai Natal é uma realidade muito recente. Há cem anos, não havia Pai Natal. Mas há, ainda, elementos que se mantêm, infelizmente, como as pessoas a pedir nas ruas. Na mesa, as pessoas mais abastadas, à semelhança daquelas famílias ricas que havia, há cem anos, existem, na mesma. E ainda existem muitas consoadas com dificuldades. São algumas afinidades tristes. Já não temos, entretanto, as situações das cadeias, onde, hoje, se procura proporcionar uma situação diferente. Há cem anos, era um dos poucos momentos em que os presos viviam com um pouco mais de alegria e desafogo”.

Elísio Neves salientou outras “nuances” que fazem a diferença dos Natais de outras eras, em relação aos de agora: “Uma coisa que se nota é o movimento comercial, já muito dirigido a esta quadra. Digamos que é, cada vez mais, reduzida, circunscrita, digamos assim, a estes dias principais do mês de Dezembro. Em relação há cem anos, há mais Natal. Há mais alegria, as pessoas vivem melhor. Há cem anos, havia muitas dificuldades”.

 

O Pai Natal, o Menino Jesus, a gastronomia e os Cantares de Reis

 

Vieram à baila as figuras do Pai Natal e do Menino Jesus.

“Agora, há o Pai Natal que não existia, há cem anos. E há menos Menino Jesus. Isto acontece pelo envolvimento comercial, na quadra natalícia. O Pai Natal (ao que creio, foi uma figura inventada pela Coca-Cola) suplantou o Menino Jesus. Surge mais integrada numa iniciativa comercial multinacional”.

A gastronomia é o elemento que se mantém mais próximo de há cem anos.

“Continuamos a privilegiar o bacalhau, o polvo, e, mais recentemente, o peru, assim como o bolo-rei que não é uma realidade tão antiga, como os demais costumes, de há cem anos. E, depois, as prendas de Natal que acabaram por dar maior animação comercial às cidades, sem a qual não sobreviveria. Numa cidade como Vila Real, e sabendo-se dos problemas conjunturais na economia, esta quadra é fundamental” – acrescentou Elísio Neves.

No entanto, presentes sempre os houve. Se, antes, era o Menino Jesus que os trazia, hoje é o Pai Natal quem os traz. Havia mais presépios, em Vila Real, há cem anos.

“Nessa altura, dominavam as nossas igrejas e, em Vila Real, os presépios de S. Domingos e Santa Clara eram muito apelativos. Presentemente, não temos presépios suficientemente representativos, nas nossas igrejas. Lembro-me, há cinquenta anos, o Padre Henrique Maria dos Santos organizar presépios humanizados, integrando neles ciganos, numas cabanas que eram montadas no exterior da Igreja de S. Domingos e que eram muito bonitos”.

Por fim, este investigador e etnólogo lembrou uma iniciativa da autarquia e que se enquadra nesta quadra e que, há cem anos, já existia.

“Os Reis, em particular, em Vila Real, por iniciativa da Câmara Municipal, já com mais de dez edições. Os Cantares dos Reis são um evento importante, no próprio calendário da animação da cidade”.

 

José Manuel Cardoso

PUB

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.