Segunda-feira, 22 de Julho de 2024
No menu items!




Papa Francisco diz que “não estamos sozinhos”

O Papa celebrou, no Vaticano, a “alegria imparável” da Páscoa, dia da festa mais importante para a Igreja Católica, que assinala a ressurreição de Jesus, falando num momento que transforma a história da humanidade.

-PUB-

“Não estamos sozinhos: Jesus, o Vivente, está connosco para sempre. Alegrem-se a Igreja e o mundo, porque hoje as nossas esperanças já não se quebram contra o muro da morte, mas o Senhor abriu-nos uma ponte para a vida”, disse, desde a varanda central da Basílica de São Pedro.

“Páscoa significa ‘passagem’, porque, em Jesus, se realizou a passagem decisiva da humanidade, ou seja, a passagem da morte à vida, do pecado à graça, do medo à confiança, da desolação à comunhão. Nele, Senhor do tempo e da história, quero, com o coração repleto de alegria, dizer a todos: Boa Páscoa! A todos!”, disse Francisco, no início da sua mensagem, que leu sentado.

O Papa deixou uma palavra particular para os doentes e os pobres, os idosos e quantos atravessam momentos de provação e dificuldade, desejando que esta Páscoa seja para eles “uma passagem da tribulação à consolação”.

Francisco presidiu à missa do Domingo de Páscoa, na Praça de São Pedro, com a participação de dezenas de milhares de pessoas.

“Cristo ressuscitou, ressuscitou verdadeiramente: como se proclama nas Igrejas do Oriente. O termo verdadeiramente diz-nos que a esperança não é uma ilusão, é verdade! E que, a partir da Páscoa, o caminho da humanidade assinalado pela esperança é percorrido com passo mais rápido”, apontou.

O Papa evocou o exemplo das primeiras testemunhas da Ressurreição, que aceleram o passo, em “corrida”, porque “a humanidade vê a meta do seu percurso, o sentido do seu destino, Jesus Cristo, e é chamada a apressar-se ao encontro dele, esperança do mundo”.

“Apressemo-nos, também nós, a crescer num caminho de confiança recíproca: confiança entre as pessoas, entre os povos e as nações. Deixemo-nos surpreender pelo anúncio feliz da Páscoa, pela luz que ilumina as trevas e obscuridades em que demasiadas vezes se encontra envolvido o mundo”, apelou.

A bênção ‘urbi et orbi’ foi precedida pela execução dos hinos do Vaticano e da Itália, pelas bandas da Gendarmaria Pontifícia e dos Carabinieri, com as saudações militares da Guarda Suíça e das Forças Armadas italianas.

Na cerimónia foi anunciada a concessão de indulgência, pelo cardeal James Michael Harvey, arcipreste da Basílica de São Paulo fora de muros.

A Praça está decorada com 40 mil flores que chegaram dos Países Baixos, uma tradição que começou no pontificado de São João Paulo II.

[adrotate group="24"]

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

[adrotate group="2"]

Mais lidas

[adrotate group="3"]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

[adrotate group="5"]