Terça-feira, 28 de Setembro de 2021

“Peço ao povo de Deus para acolher o novo bispo como ele merece”

A 30 de junho, a Diocese de Vila Real recebe o novo bispo, D. Augusto Azevedo. Na hora da despedida, D. Amândio Tomás admite que vai ter saudades das pessoas e pede para colaborarem ativamente com o novo prelado, que irá “fazer um bom papel, assim ele seja ajudado pelos sacerdotes e fiéis”. 

-PUB-

Sobre os dossiers mais complicados, D. Amândio pediu aconselhamento junto do Vaticano e será uma matéria para o novo bispo decidir, como o futuro parque de estacionamento ou o hotel no seminário.

 

VTM — D. Amândio está prestes a despedir-se da Diocese. Sai com o sentimento de dever cumprido? 
Sinto-me bem. Naturalmente, nunca fazemos aquilo que desejaríamos ter feito, ficamos sempre muito aquém. Mas sinto-me contente, dentro dos condicionalismos que temos.

O que vai fazer a partir do dia 30 de junho? 
Vou entregar-me à meditação, à oração e à leitura. Farei tudo o que me solicitarem, consciente que as forças vão diminuindo. Hoje é assim, amanhã será um pouco pior, talvez.

Chegou à Diocese em fevereiro de 2008, como bispo coadjutor de D. Joaquim Gonçalves. Onze anos depois, que balanço faz?
É um balanço positivo, em contacto com gente simples, humilde, acolhedora, como ainda ontem (domingo) verifiquei na visita pastoral em Vila Pouca de Aguiar e, à tarde, em  Sanfins do Douro. Dois ambientes diferentes, mas gente muito simpática e alegre.  

Tem recebido várias homenagens nas diversas paróquias por onde tem passado. É um sinal de gratidão dos transmontanos ao D. Amândio Tomás?
Sim, naturalmente, é gratificante ver estes

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.