Domingo, 1 de Agosto de 2021

Projeto da UTAD vai estudar possível ligação entre cancro animal e humano

Especial Ensino - A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) vai aplicar 500 mil euros no projeto “OneHcancer”. O objetivo passa por compreender o cancro animal e humano no Norte de Portugal

-PUB-

O desafio foi lançado pela CCDR-N, que anunciou a distribuição de uma verba pelos centros de investigação no âmbito do programa H2020. Após uma reunião, “decidimos que a área do cancro, para a qual já existe muito conhecimento, com um grupo ligado à oncologia animal, seria uma boa aposta. É uma área que está sempre em desenvolvimento”, explica Cristina Miranda Gomes, diretora do Centro de Ciência Animal e Veterinária (CECAV).

O projeto chama-se “One health concept in animal cancer – OneHcancer”, foi aprovado recentemente e conta com um financiamento de cerca de 500 mil euros pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER). Com uma duração de dois anos, o projeto pretende estudar as neoplasias em animais e humanos e vai seguir três linhas de investigação.

“A linha 1 irá investigar o cancro em animais de companhia e humanos, onde será feita uma análise de dados e um inquérito epidemiológico dirigido a tutores de animais, para perceber em que medida o seu modo de vida pode afetar a vida e a saúde dos animais e vice-versa”, começa por indicar Luís Cardoso. 

O investigador responsável pelo projeto continua, referindo que “a linha 2 vai incidir-se na investigação do cancro nos animais de produção, nomeadamente no gado do Norte do país, em explorações, quintas e matadouros, enquanto a linha 3 vai investigar de que forma se podem reduzir os fatores cancerígenos em carnes”, ou seja, será feita, nesta última linha, uma avaliação à exposição do consumidor aos fatores de risco com o consumo de carne. Nesta última linha, o estudo irá incidir, entre outras coisas, no fumo a que os enchidos, por exemplo, são expostos e os impactos que isso pode ter na saúde.

“Uma questão particular é saber se há agentes infeciosos associados aos linfomas animais, em concreto a leishmânia, que é o agente causador da leishmaniose, tanto humana como animal, e perceber se há relação entre eles”, acrescenta.

Segundo Luís Cardoso, este é um projeto “ambicioso e exigente, mas nada a que a UTAD e o CECAV não estejam habituados”, referindo que “os dados já existem, nós apenas vamos recolhê-los, no sentido de os analisar”. 

Os 500 mil euros do projeto vão servir, essencialmente, para pagar aos bolseiros, neste caso um doutorado e seis mestres, “pessoas de diversas áreas e de várias universidades”. O restante “será para despesas de deslocação e material que seja necessário”, afirma Cristina Miranda Gomes.

Quando o projeto estiver concluído, pretende-se que seja possível “perceber se há fatores de risco comuns. Fala-se que os animais são modelos para as pessoas, mas o contrário também acontece”, indica Luís Cardoso. “Este estudo é benéfico, caso contrário o hospital de Vila Real não aceitaria entrar no projeto”, afirma a diretora do CECAV, lembrando que “o hospital vai facultar informação, mas também vai receber muita”.

Outra conclusão que poderá sair deste projeto, de acordo com Cristina Miranda Gomes, tem a ver com “a incidência de determinado tipo de cancro numa determinada região do país, aqui com destaque para o Norte. No fundo, poderemos perceber a razão pela qual as pessoas de uma localidade estão mais expostas a um determinado tipo de cancro”.

Além do CECAV, o projeto envolve elementos do Centro de Investigação em Desporto, Saúde e Desenvolvimento Humano (CIDESD) e do Centro de Química de Vila Real, ambos da UTAD.

De salientar que o CECAV faz parte do Laboratório Associado AL4AnimalS, que junta três centros portugueses de investigação e desenvolvimento, exclusivamente dedicados à Ciência Animal e Veterinária.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.