Segunda-feira, 25 de Outubro de 2021

PSD lamenta que testes de covid-19 não cheguem a Trás-os-Montes

Fernando Queiroga, presidente da Distrital do PSD de Vila Real, lamenta a forma como o Norte do país e, em particular, o interior, tem sido tratado pelo primeiro-ministro, que anunciou a realização dos testes em todo o país, mas ainda não chegaram ao interior.

-PUB-

“Toda esta situação é exemplificativa da forma como a região norte e em particular os concelhos do interior são sistematicamente discriminados e colocados numa segunda linha de atenção”, refere em comunicado, adiantando que os profissionais que trabalham nos lares “estão a atingir um ponto de rutura e saturação que é agudizado pelo sentimento de falta de proteção e muitas vezes a sensação de esquecimento”.

Fernando Queiroga, que é também presidente da câmara de Boticas, não compreende esta opção do Governo, quando os relatórios da Direção Geral de Saúde indicam que é no Norte onde existem mais infetados.

Este responsável lembra que foi o próprio António Costa a anunciar que a realização de testes nos lares seria estendida a todo o país, adiantando a data de 6 de abril como a altura em que o território estaria todo coberto com estas iniciativas. No entanto, até agora, “só foram feitos em concelhos como Lisboa, Aveiro, Évora e Guarda, estendendo-se depois a Portimão e Loulé”, revela o PSP, acrescentando que a data anunciada já foi ultrapassada, mas os testes à COVID-19 nos lares de idosos (a utentes e funcionários) “ainda não chegaram à região norte, precisamente aquela que regista um número mais elevado de pessoas infetadas e onde, naturalmente, o risco de contágio é maior”.

O PSD distrital exige que o Governo “dê um tratamento igual e tenha mais respeito pela região de Trás os Montes e Alto Douro”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.