Quarta-feira, 16 de Junho de 2021

“Se o SNS não fosse robusto, a resposta à pandemia teria sido uma catástrofe”

É, talvez, o maior desafio dos hospitais dos últimos anos – “lutar” contra a Covid-19. Carlos Vaz é diretor da Unidade Local de Saúde do Nordeste (ULSNE) desde 2016. Regressou a uma casa que bem conhece, 14 anos depois, longe de imaginar o que teria de “enfrentar”.

-PUB-

2020 trouxe consigo uma pandemia, desconhecida, e ainda sem cura. Numa altura em que os números de casos diários estão em crescimento e alguns hospitais começam a “rebentar pelas costuras”, Carlos Vaz garante que “temos o número de camas suficientes para doentes Covid, isto se não houver um ‘boom’ de internamentos”, acrescentando que “estamos a receber doentes de outras regiões. É nosso dever e uma questão de solidariedade. Hoje eles, amanhã nós”.

“O Serviço Nacional de Saúde (SNS) tem prestado um grande serviço com os utentes e hoje, mais que nunca, se vê a sua capacidade de resposta. Se o SNS não fosse robusto, a resposta à pandemia teria sido uma catástrofe”, afirma.

Quanto ao número de

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.