Segunda-feira, 28 de Novembro de 2022

Simulacro testou capacidade de resposta da Urgência do Hospital de Bragança

Para testar a capacidade de resposta do Serviço de Urgência Médico-Cirúrgica (SUMC) da Unidade Hospitalar de Bragança foi realizado um simulacro que envolveu cinco vítimas a necessitar de assistência hospitalar, na sequência de um acidente com uma aeronave, no Aeródromo Municipal.

-PUB-

No cenário ficcionado, num total de 10 ocupantes da aeronave, entre passageiros e tripulantes, verificaram-se dois mortos, três sinistrados graves e dois feridos ligeiros. Houve ainda três pessoas que saíram ilesas.

Os feridos foram transportados para a Unidade Hospitalar de Bragança, onde foi ativado o Plano de Emergência Externo, nível 1, de acordo com o número e o estado clínico das vítimas.

Em comunicado, a Unidade Local de Saúde (ULS) do Nordeste explica que para dar resposta à situação, foram definidos dois circuitos no SUMC, um para os utentes reais e outro para as vítimas deste simulacro. Também foram criadas duas equipas distintas de profissionais, de modo a assegurar a resposta aos doentes reais, enquanto se procedeu à assistência às vítimas provenientes do simulacro.

“Este modelo de organização permitiu assegurar o normal funcionamento do Serviço de Urgência Médico-Cirúrgica durante a realização do exercício, no qual estiveram envolvidos vários profissionais da ULS Nordeste, entre os quais médicos, enfermeiros, assistentes operacionais, assistentes técnicos e também o Serviço de Saúde e Risco Ocupacional”, acrescenta a nota da ULS do Nordeste.

Este simulacro teve como objetivo principal testar o Plano de Emergência para Aeronaves do Aeródromo Municipal de Bragança e o Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Bragança, mas também permitiu à ULS do Nordeste “avaliar a capacidade de resposta do SUMC numa eventual situação de acidente”, em que se verificou uma “resposta adequada e devidamente coordenada deste Serviço”.

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.