Quinta-feira, 20 de Janeiro de 2022
©GDC

Transmontanos com organização, solidariedade e arte

ESTRELA DA AMADORA, 1 | CHAVES, 3

-PUB-

Dezasseis anos depois, Estrela da Amadora e Desportivo de Chaves voltaram a reencontrar-se num jogo que teve uma expulsão para cada lado e que os transmontanos venceram (1-3), somando o quarto triunfo consecutivo.

As equipas entravam em campo em momento muito positivo. Os amadorenses vinham de um ciclo de duas vitórias consecutivas e os flavienses de um ciclo de três, pelo que se esperava um jogo interessante.

Apesar das equipas terem transmitido a ideia de quererem assumir o jogo, a verdade é que o seu inicio, embora vivo, foi pouco interessante em situações de perigo, apenas havendo a destacar um remate do capitão estrelista, Sérgio Conceição (8`), com relativo perigo.

A expulsão do central Alexsandro (24`) por travar em falta um contra-ataque de Madson, num lance muito contestado pelos flavienses, mas que de nada valeu, foi uma forte contrariedade para o conjunto de Vítor Campelos.

Em inferioridade, os transmontanos organizaram-se defensivamente e procuravam sair em contra-ataque e numa dessas iniciativas, João Teixeira serviu Wellington que rematou de forma indefensável.

Os amadorenses tentaram reagir de imediato, mas seriam os flavienses a ampliar o marcador quando Rocha cabeceou para as redes um livre executado por João Teixeira.

A equipa da casa só aos 43`esteve muito perto do golo por André Duarte que na primeira tentativa obrigou Paulo Vítor a uma boa defesa e na segunda tentativa rematou ao lado.

No regresso das cabines, a equipa da casa entrou mais agressiva, procurando diminuir a desvantagem o quanto antes e Fabrício (49’) teve uma boa situação, mas Paulo Vítor defendeu o remate do experiente brasileiro. Este lance foi uma exceção à superioridade da defensiva flaviense sobre o ataque da casa.

Ao nível das expulsões, as equipas ficarem em igualdade quando o guarda-redes Gonçalo Tabuaço também foi expulso por fazer falta, fora da área, sobre Patrick que parecia embalar para a baliza.

Os transmontanos começaram a ter o controlo do encontro, perante um Estrela da Amadora que, por muito que tentasse, esbarrava na boa organização e solidariedade do adversário.

A machada final nas ténues esperanças dos tricolores foi dada por Wellington que concluiu com nota artística um grande lance de toda a equipa. Os estrelistas ainda marcaram o golo de honra numa infelicidade de Nuno Coelho.

O algarvio Nuno Almeida exibiu por duas vezes o cartão vermelho de forma direta, em decisões em que manteve o mesmo critério, mas que parecerem exageradas. No restante, teve sempre o jogo controlado.


COMENTÁRIOS

RICARDO CHÉU
“Hoje encontramos uma equipa muito pragmática, que fez três remates ao longo do jogo e fez três golos. Ganhou e ganhou bem. O Chaves com menos um apanhou-se a vencer e sentiu-se confortável. Criamos tantas oportunidades, que hoje podíamos estar aqui o dia todo que não fazíamos golo. De resto, o nosso golo foi um autogolo. Estivemos muito perdulários.”

 

VÍTOR CAMPELOS
“Todas as vitorias são importantes. Sabíamos que íamos defrontar uma equipa difícil e que tem praticado bom futebol. Fomos uma equipa solidária, estivemos muito focados e concentrados, só assim poderíamos vencer. Em inferioridade numérica, depois de ajustarmos, fomos uma equipa bem organizada. Apesar de estarmos em inferioridade estivemos sempre com os olhos postos na baliza adversária.”


DESTAQUE


WELLINGTON
AMEAÇA CONSTANTE

O extremo brasileiro confirmou na Reboleira que está a atravessar um momento de forma muito apreciável. Sempre muito participativo nas ações atacantes, mas também solidário nas defensivas, foi ameaça constante para os defensores estrelistas.  Incisivo, abriu o marcador com um remate potente e bisou com um remate indefensável e cheio de arte.


FICHA DE JOGO

Jogo no Estádio José Gomes, em Reboleira-Amadora
Árbitro:
Nuno Almeida (AF Algarve)
Auxiliares: André Campos e Rui Cidade

ESTRELA DA AMADORA: Gonçalo Tabuaço, Tiago Melo (63′), Anthony Correia, André Duarte, Sérgio Conceição © (74′), Chapi (77`), Aloísio, Afonso Figueiredo, Diogo Pinto (77`), Fabrício, Madson
Treinador: Ricardo Chéu

CHAVES:Paulo Vítor, Nuno Campos, Luís Rocha ©, Alexsandro, Bruno Langa, Nuno Coelho, Obiora, João Teixeira (81`), Wellington (90`), Platiny (65`), Adriano Castanheira (65`)
Treinador: Vítor Campelos

Cartões Amarelos: Rocha (40`); Adriano Castanheira (41`); Afonso Figueiredo (53`); Nuno Campo (80`)

Cartões Vermelhos: Alexsandro (24`); Gonçalo Tabuaço (75`)

Marcadores: Wellington (30` e 90`); Rocha (36`); Nuno Coelho (90+4`autogolo)

 

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.