Segunda-feira, 2 de Agosto de 2021

ULS Nordeste realizou mais de 12 mil consultas em dois meses

Após a retoma da atividade assistencial programada, entre o início de maio e o final de junho, a Unidade Local de Saúde (ULS) do Nordeste realizou 12.735 consultas, 531 cirurgias, 229.431 exames de diagnóstico e terapêutica e 1.697 sessões de hospital de dia.

-PUB-

Em comunicado, a ULS Nordeste revela que as consultas hospitalares realizadas neste período, tendo em conta o critério de prioridade clínica, e incluindo contactos não presenciais, correspondem a 4.103 primeiras consultas e 8.340 consultas subsequentes.

Relativamente aos meios complementares de diagnóstico e terapêutica, destaque para 185.727 atos realizados pelo Serviço de Patologia Clínica e 15.671 pelo Serviço de Imagiologia.
Já no que respeita a cirurgias, foram efetuadas na ULS Nordeste 328 em ambulatório e 203 em regime convencional.

Após um período em que a atividade clínica foi apenas a de caráter urgente, conforme orientação do Ministério da Saúde, a atividade assistencial programada “está a ser gradualmente reagendada e efetuada”, nos hospitais de Bragança, Mirandela e Macedo de Cavaleiros.

CONSULTAS REAGENDADAS

Desde a retoma assistencial programada nos cuidados hospitalares, a unidade de saúde já reagendou “3.910 consultas, correspondentes a 51% das 7.687 canceladas devido à Covid-19, e 312 cirurgias, representando 53% das 584 adiadas pelo mesmo motivo”, avança na mesma nota.

A ULS Nordeste sublinha que este processo de retoma “teve em conta a reformulação dos espaços físicos das salas de espera, a marcação por hora e o aconselhamento prévio aos doentes para não se fazerem acompanhar por outras pessoas a não ser em casos excecionais,

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.