Sábado, 16 de Outubro de 2021

Universidade Sénior abre até final do ano

Antes do final do ano, a Santa Casa de Misericórdia de Ribeira de Pena vai abrir as portas da sua Universidade Sénior e disponibilizará aos seus alunos a frequência de aulas de pintura, desenho, ciências humanas, história, saúde e sociologia.

-PUB-

As aulas serão ministradas nas instalações da Santa Casa, Escola de Baixo e, se for necessário, até nos espaços da Casa do Povo.

Numa primeira fase, o estabelecimento de ensino acolherá 30 alunos, a partir dos 50 anos, mas a instituição aponta para 120, no futuro. O provedor da Santa Casa da Misericórdia, António Pereira, garante “um corpo docente qualificado com cursos superiores”, assumindo que só falta formalizar os vários protocolos com as entidades que são imprescindíveis no sistema de apoio, nomeadamente com a Câmara Municipal, o principal parceiro.

Além da componente académica, a criação da Universidade Sénior tem uma função social importante, pois incide sobre uma faixa etária “que se deve dar atenção, contribuindo para reduzir a sua solidão e o isolamento, através do convívio”, conforme nos disse António Pereira. O provedor acha mesmo que “a Universidade Sénior será um escape para que essas pessoas continuem a sentir que são úteis”.

Embora aceites, as parcerias ainda não estão formalizadas, num processo que entra a Câmara e o Centro Escolar de Ribeira de Pena, embora António Pereira queira alargar também o projecto à Santa Casa da Misericórdia de Cerva. No entanto, esta intenção poderá esbarrar com o propósito da instituição de Cerva também ter vontade de criar igualmente a sua universidade sénior. “Lancei o repto, mas não me foi dada qualquer resposta, mas vou insistir. Embora reconheça que as pessoas e as instituição são livres de assumirem as suas decisões, julgo que não tem sentido assim. Colaborarmos juntos será óptimo para dar cobertura às duas zonas. Agora, duas universidades é só multiplicar sem nenhuma vantagem”, reafirmou.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.