Quarta-feira, 5 de Outubro de 2022

Antiga escola primária é a nova casa do GIPS

A antiga escola primária dos Formarigos, na cidade de Bragança, é a nova casa do Grupo de Intervenção, Proteção e Socorro (GIPS) da GNR, que integra o dispositivo de combate a incêndios e apoia diferentes situações de emergência.

-PUB-

O espaço foi cedido pela câmara municipal, como forma de “voltar a servir a comunidade”.

“A escola estava desativada, sem qualquer tipo de utilização e agora vai ganhar uma nova vida e confere outra segurança àquela zona do bairro dos Formarigos”, afirmou o presidente da Câmara de Bragança, à margem da assinatura do protocolo entre as partes.

A autarquia, liderada por Hernâni Dias, investiu oito mil euros “em pequenos ajustamentos no espaço interior e exterior da escola”, um investimento que “não é relevante, mas que vem dar uma ajuda enorme à maior capacidade de esta força estar no terreno”.

Esta parceria vai permitir “melhorar as condições de trabalho” do Posto de Intervenção, Proteção e Socorro (PIPS) de Bragança, que se encontra atualmente no Comando Territorial da GNR e que passar a ter “um espaço mais desafogado com melhores condições”, salientou o comandante nacional da Unidade de Emergência, Proteção e Socorro, Jorge Goulão.

A antiga escola passará a ser “a base de trabalho, tomada de refeições e para dormir” dos cerca de “25 a 30” militares do posto de Bragança. Contudo, a data da mudança está ainda dependente de acabamentos, como a instalação da cablagem para operacionalizar comunicações e outros recursos”.

A nova base funcionará também como um posto da guarda aberto à comunidade. Além deste posto, esta unidade da GNR tem ainda uma companhia de intervenção, proteção e socorro e uma companhia de ataque situada em Mirandela.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.