Quarta-feira, 6 de Julho de 2022

Auditoria do TdC aponta “deficiências” em contratos de empreitada

Uma auditoria do Tribunal de Contas (TdC) à Câmara de Montalegre apontou “deficiências” de controlo na contratação de empreitadas e “desconformidades” em procedimentos pré-contratuais de empreitadas adjudicadas por ajuste direto, nos anos de 2014 a 2018.

Segundo o documento, publicado na página oficial daquele tribunal e datado de fevereiro de 2022, o exame efetuado aos contratos de empreitada incluídos na amostra, nos anos de 2014 a 2018, “evidenciou deficiências de controlo na contratação de empreiteiros, a sua deficiente identificação nos Planos Plurianuais de Investimento, desconformidades várias nos procedimentos pré-contratuais, designadamente quanto à falta de fundamentação das entidades a convidar e à inexistência de um rigoroso controlo dos preços unitários”.

Evidenciou também “o fracionamento da despesa, com a consequente não realização de procedimentos concorrenciais, a não observância do limite trienal legalmente previsto para a celebração de contratos por ajuste direto e por consulta prévia com a mesma entidade e a cabimentação da despesa em data posterior à decisão de contratar e/ou à data de adjudicação, situações suscetíveis de consubstanciar eventuais infrações financeiras sancionatórias”.

A auditoria concluiu ainda que “nos procedimentos de ajuste direto examinados, nenhum dos convites remetidos às entidades em suporte físico ou através de correio eletrónico, foi objeto de registo, o mesmo tendo ocorrido relativamente à entrada das propostas, o que denota graves deficiências de controlo da correspondência expedida e recebida e falta de transparência nos procedimentos”.

O TdC formulou recomendações à Câmara de Montalegre, no distrito de Vila Real, para a implementação de mecanismos de controlo interno que visem o cumprimento da legislação respeitante à contratação pública.

Contactado pela agência Lusa, o presidente da Câmara de Montalegre, Orlando Alves, disse estar tranquilo, embora reconheça que “era melhor que não houvesse o conjunto de reparos que a auditoria dá a conhecer”.

O autarca admitiu que “possa haver uma ou outra falha” e sublinhou que o “código da contratação pública é uma coisa muito complexa”.

“Pode haver uma ou outra falha, que é absolutamente normal em atos administrativos, mas a verdade é que as decisões que foram tomadas, tenho a consciência que foram bem tomadas e foram tomadas, sobretudo, com base nos elementos indicativos e de suporte de que o decisor, o autarca se serve para poder tomar decisões”, referiu.

Quanto às recomendações do TdC disse que são “bem-vindas” e, “obviamente, estão a ser implementadas”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.