Quinta-feira, 11 de Agosto de 2022

Barragem do Sabor quase concluída

O Aproveitamento Hidroelétrico do Baixo Sabor, AHBS, atualmente em construção no rio Sabor, afluente da margem direita do rio Douro, está na reta terminal. Embora faltando alguns trabalhos, a obra já se apresenta imponente e quase concluída em termos de estrutura. Em 2015, a albufeira poderá começar a ser formada. A velha ponte da estrada nacional, utilizada no IP2, já está desativada e o tráfego está a ser encaminhado para um viaduto.

-PUB-

O escalão de montante constitui a parte mais significativa e também mais visível do AHBS. Situado a aproximadamente 13 km da foz do Sabor, integra a barragem propriamente dita a central e os correspondentes circuitos hidráulicos.  A barragem é uma estrutura em abóbada com uma altura máxima de 123 m acima da cota de fundação e o seu coroamento, à cota 236, apresenta um desenvolvimento de 505 m e uma espessura máxima de 39 m na base. Tem, como órgãos de segurança, um descarregador de cheias, uma descarga de fundo e um posto de observação e comando. 

Terá duas albufeiras correspondendo à de montante uma extensão de cerca de 60 km. Os concelhos beneficiados são os de Macedo de Cavaleiros e Mogadouro, nas zonas mais a montante, e os de Alfândega da Fé e de Torre de Moncorvo, mais a jusante.

A área inundada ao nível de pleno armazenamento é de 2820 ha, a que corresponde um volume de 1095 hm3. Em conjunto, estas duas albufeiras mais do que duplicarão a capacidade de armazenamento português de água no Douro.

Esta barragem é um projeto considerado fundamental para o controlo da bacia nacional do rio Douro, com particular importância estratégica na gestão da cascata hidroelétrica situada a jusante no rio Douro. Recorde-se que, a construção deste empreendimento da EDP foi adjudicada a 30 de junho de 2008 ao Agrupamento Complementar de Empresas (ACE) Baixo Sabor.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.