Quinta-feira, 30 de Junho de 2022

Bom tempo deu uma ajuda na Feira dos Santos

O dia de domingo foi um bom prenúncio, para atestar do sucesso da Feira dos Santos que recebeu milhares de pessoas que passearam e adquiriram produtos, junto ao centro histórico, ou que aproveitaram para se entreter, na zona de diversões. O primeiro dia oficial da Feira dos Santos levou milhares de pessoas a rumarem à […]

O dia de domingo foi um bom prenúncio, para atestar do sucesso da Feira dos Santos que recebeu milhares de pessoas que passearam e adquiriram produtos, junto ao centro histórico, ou que aproveitaram para se entreter, na zona de diversões.

O primeiro dia oficial da Feira dos Santos levou milhares de pessoas a rumarem à cidade termal de Chaves, para passear no centro histórico, onde puderam adquirir todo o tipo de produtos, nas tendas que, anualmente, se instalam nas principais artérias flavienses.

De facto, o domingo que antecede o feriado de Todos os Santos (1 de Novembro) é aproveitado por gente que, de toda a Região Norte e da vizinha Galiza, “entope” as ruas, já animadas por feirantes e comerciantes locais que procuram escoar os respectivos produtos. Este ano, com o bom tempo a ajudar os transeuntes, o movimento foi, naturalmente, mais elevado.

Organizada em parceria pela ACISAT – Associação Empresarial do Alto Tâmega e pela Câmara Municipal de Chaves, a Feira dos Santos começou por oferecer um festival de ranchos folclóricos.

Outro dos dias fortes é o dedicado ao mundo rural, com agricultores e produtores, essencialmente do Alto Tâmega, que se deslocam, em peso, para assistir à Feira do Gado e às Chegas de Bois. O 4º Concurso Nacional Pecuário é um dos momentos altos da Feira dos Santos. As tascas improvisadas são, por vezes, palcos de negócios que se fecham, “a molhar a palavra”.

O bom tempo e a Feira do Polvo ajudam a amenizar o convívio, à mesa, entre milhares de portugueses e espanhóis. Todo o tipo de bugigangas e doçarias ajuda à metamorfose da cidade, nestes dias.

 

João Cláudio

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.