Quarta-feira, 6 de Julho de 2022

Capacidade hoteleira “no limite” no início de Outubro

O primeiro fim-de-semana do próximo mês será de “enchente”, em alguns concelhos de Vila Real. O Nosso Jornal contactou várias unidades hoteleiras do distrito que confirmaram a ocupação muito próxima dos 100 por cento. Algumas apontam a realização das corridas como principal responsável, outras referem a época de vindimas e a realização de congressos, para […]

O primeiro fim-de-semana do próximo mês será de “enchente”, em alguns concelhos de Vila Real. O Nosso Jornal contactou várias unidades hoteleiras do distrito que confirmaram a ocupação muito próxima dos 100 por cento. Algumas apontam a realização das corridas como principal responsável, outras referem a época de vindimas e a realização de congressos, para explicar as inúmeras reservas registadas.

“Ocupação a 100 por cento” foi a resposta dada por unidades hoteleiras, como os hotéis Miracorgo, Miraneve, Régua Douro ou Casa da Campeã, entre outros, para o primeiro fim-de-semana de Outubro.

Segundo responsáveis por aquelas unidades, as reservas estão esgotadas, devido, não só ao regresso das corridas de Vila Real, mas, também, a outras actividades relacionadas com a época de vindimas e a congressos, realizados na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD).

“Desde o início do ano que temos lotação esgotada, para esse fim-de-semana”, garantiu-nos fonte da Estalagem Quinta do Paço. A unidade hoteleira avançou como principais ocupantes das suas 64 camas os participantes nas corridas.

Também os 26 quartos do Hotel Miraneve estão, já, desde a passada semana, reservados, na sua totalidade, na “grande maioria dos casos”, devido ao regresso das velocidades, ao circuito urbano de Vila Real, revelou a Directora daquela unidade hoteleira.

Fonte do Parque de Campismo de Vila Real revelou, também, não haver dúvidas de que aquele espaço vá atingir a sua capacidade máxima (200 pessoas), no fim-de-semana prolongado, de 5 a 8 de Outubro.

O Hotel Miracorgo, o maior do concelho vila-realense, com 166 quartos e um total de 322 camas, também avançou, ao Nosso Jornal, que se encontra na sua capacidade máxima, mas que a situação “não se deve às corridas” mas, sim, à realização de um conjunto de outras actividades, entre as quais o 5.º Congresso da Associação Portuguesa de Economia Agrária (dias 4, 5 e 6) e a “IADIS International Conference WWW/Internet 2007” (entre os dias 5 e 8), que se realizarão na UTAD.

Também a Pousada da Juventude de Vila Real tem uma ocupação limite de “cerca de 90 por cento”, com as suas 52 camas a serem ocupadas por vários visitantes, não envolvidos nas corridas.

O Hotel Régua Douro (77 quartos e 156 camas), na Régua, e o Solar dos Canavarros (55 quartos), em Sabrosa, são outras das unidades contactadas, pelo Nosso Jornal, que contabilizam ocupação total, mas, desta feita, sob a justificação da época das vindimas.

“Não tem nada a ver com as corridas. Nesta altura, organizamos as nossas lagaradas e, normalmente, enchemos sempre”, adiantou fonte do hotel reguense.

Independente da motivação, prevê-se que milhares de pessoas se desloquem à região, no início de Outubro, o que comprova a grande necessidade, ao nível na hotelaria, como explicou Armando Miro, Presidente da Região de Turismo da Serra do Marão.

“Já se justifica o investimento na hotelaria” – sublinhou o responsável, advertindo que a situação não se prende com a realização de um evento, em particular, mas, sim, com o desenvolvimento da região.

Um dos eventos que irá trazer centenas de pessoas a Vila Real é o regresso das corridas, sendo de realçar que, quando ainda falta mais de um mês, para a sua realização, já estão inscritos cerca de 200 pilotos, na prova transmontana de velocidade automóvel.

 

Maria Meireles

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.