Sábado, 3 de Dezembro de 2022
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Cinco trilhos para descobrir em Carrazeda de Ansiães

São quilómetros de trilhos que se cruzam com património natural e edificado, com arte e cultura, com a identidade de um povo e com a diversidade paisagística que o próprio Douro proporciona

PUB

O rio Douro, que deu origem à mais antiga Região Demarcada do mundo e à classificação da UNESCO como Património Mundial da Humanidade, tem muitas faces, bem visíveis no concelho de Carrazeda de Ansiães. Desde a idílica paisagem vinhateira ao Douro mais agreste e rude, um pouco de tudo é possível observar em Carrazeda de Ansiães e experimentar esta diversidade paisagística percorrendo os novos percursos pedestres criados pelo município.

No total são cinco Pequenas Rotas (PR), homologadas pela Federação Portuguesa de Campismo e Montanhismo, que algumas vezes se cruzam, quase sempre se complementam, que podem ser feitas de forma isolada ou em conjunto, que atravessam aldeias e lugares de elevado interesse e nos colocam muitas vezes em privilegiados miradouros sobre o rio Douro.

A autarquia vai assinalar a inauguração com caminhadas ao longo de três fins de semana, distribuídos pelos meses de março, abril e maio. A primeira caminhada realiza-se já no próximo sábado.

Cada um percursos pedestres tem a particularidade de valorizar diversos pontos de interesse, que do ponto de vista patrimonial, cultural, histórico e até económico, são elementos integridades da singularidade do território. O desafio vai muito além da caminhada, inclui vivências e conhecimentos que tornam cada experiência única.

Pelo facto das PR serem certificadas, “é garantido a quem o caminho uma correta marcação do trilho, qualidade na sinalética e painéis informativos, bem como condições de segurança para que a caminhada possa ser realizada com total confiança”.

PR4 – “Trilho da Fraga das Ferraduras”

É um percurso circular com início e fim junto à Igreja Paroquial de Ribalonga. Esta localidade preserva ainda a arquitetura tradicional das aldeias vinhateiras, bem como alguns imóveis de interesse histórico, entre estes merece especial atenção a igreja matriz dedicada a Santa Marinha e datada do século XVIII. O percurso segue em direção ao Miradouro da Fraga das Ferraduras, permitindo observar um extenso e belo trecho da paisagem duriense, classificada pela UNESCO como Património da Humanidade.

PR5“Trilho das Quedas d’Alto”

Começa e termina junto à Associação Cultural Recreativa de Linhares (ACRL). No troço inicial, o PR5 toma a direção do miradouro das Quedas d’Alto. No trajeto existe uma derivação que permite o acesso à Ribeira de Linhares e à observação das denominadas “Quedas d’Alto”, queda de água com vários metros de altura. Retomando o percurso e atravessando a ponte e os passadiços, o trilho segue junto à margem da ribeira até uma derivação que nos conduz ao Miradouro dos Moinhos passando por quatro estruturas molinológicas, anteriormente utilizadas pela população local na transformação do cereal em farinha. O percurso permite ainda aceder ao morro do Castelo de Linhares, de onde se pode contemplar um amplo troço do vale do Rio Douro.

PR6 – “Trilho da Aldeia dos Moinhos”

Tem início e fim junto ao Museu da Memória Rural de Vilarinho da Castanheira. Leva-nos aos Moinhos de Rodízio do Ribeiro do Coito. Aqui podem ser observadas várias estruturas molinológicas tradicionais com as suas levadas e represas e vários outros edifícios funcionais como fornos de cozer pão, palheiros, pombais e habitações. Todo este conjunto, ainda bem preservado, testemunha o “modus-vivendi” tradicional desta população nos finais do séc. XIX e meados do séc. XX. Continuando o percurso, de regresso a Vilarinho da Castanheira, uma curta derivação conduz a uma estrutura funerária megalítica, Anta de Vilarinho da Castanheira, também conhecida como Pala da Moura. Além dos locais já assinalados, a remota ocupação deste território pode ser ainda testemunhada através da observação de alguns lagares escavados nas rochas localizados ao longo do trilho.

PR7 – “Trilho do Miradouro da Cova Escura”

Com início e fim junto ao Museu da Memória Rural de Vilarinho da Castanheira segue em direção à Fonte da Bicuda e a uma ponte localmente conhecida como Ponte Romana. O percurso continua em direção ao Pinhal do Douro, acompanhando a meia encosta o vale do Ribeiro das Tábuas e partilhando um troço comum com o “Trilho da Fraga da Ola”, onde é possível observar um conjunto disperso de estruturas que compõem e caracterizam a paisagem rural. Estas estruturas, identificadas como muros apiários, fornos de secar figos, um lagar de azeite e um conjunto de moinhos, constituem um testemunho material de uma arquitetura vernacular e de um modo de exploração tradicional dos recursos naturais da região. De regresso ao ponto de partida, o trilho segue em direção ao Miradouro da Cova Escura, passa pelo Santuário da Nossa Senhora da Assunção e, já na chegada à aldeia de Vilarinho da Castanheira, passa junto à Fonte do Cano.

PR8“Trilho da Fraga da Ola”

Este trilho começa e termina no largo da aldeia de Pinhal do Douro. O percurso passa por uma fonte de mergulho e pela Fraga das Bruxas. Sob o miradouro da imponente Fraga da Ola, subsiste uma paisagem natural, formada por escarpas revestidas pela rica e diversificada vegetação do vale do Douro. Continuando em direção ao final do percurso, é possível seguir uma derivação até ao Miradouro da Fraga da Coleja, situado num esporão que se projeta sobre o rio Douro, onde se estendem os vinhedos das principais quintas históricas de produção de vinho do Porto que caraterizam a paisagem duriense.

 

PUB

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.