Segunda-feira, 4 de Julho de 2022

Clube “alvinegro” joga com a “prata da casa”

“Queremos ser campeões da Associação de Futebol de Vila Real (AFVR), mas não se ganha o campeonato na segunda ou na terceira jornada, ganha-se na última”, explicou Luís Pimentel que, apesar de afastado da liderança da equipa, na época anterior, regressou ao Sport Clube de Vila Real, com “gosto e orgulho”, ainda que com um […]

“Queremos ser campeões da Associação de Futebol de Vila Real (AFVR), mas não se ganha o campeonato na segunda ou na terceira jornada, ganha-se na última”, explicou Luís Pimentel que, apesar de afastado da liderança da equipa, na época anterior, regressou ao Sport Clube de Vila Real, com “gosto e orgulho”, ainda que com um plantel rebuscado e o “objectivo claro” de abrir caminho para a 3.ª Divisão Nacional. O campeonato distrital tem início no dia 9 do próximo mês e, amanhã, será realizado o sorteio do calendário da prova.

O Sport Clube de Vila Real apresentou, no dia 13, o seu plantel e equipa técnica, para a próxima época. O clube vai jogar com a prata da casa, renovando contrato com quatro jogadores, recrutando outros que alinharam pela equipa “alvinegra” em épocas anteriores e apostando em atletas que, apesar de nunca terem jogado no “Bila”, partilham a característica de serem da região.

Em relação à equipa técnica, as atenções voltam-se para o regresso de Luís Pimentel, treinador que, a meio da época passada, foi afastado do clube, sendo também de salientar que ainda não são conhecidos os nomes que responderam pela equipa, no que diz respeito à Direcção S. C. Vila Real.

“São as contingências do futebol. Quem é treinador sabe que está sujeito a estas mudanças, a estas alterações feitas pelos directores, semprecom a motivação de fazer melhor. Às vezes, resultam, outras vezes não”, explicou Luís Pimentel, mostrando-se compreensivo, relativamente ao seu afastamento do S. C. Vila Real, na época anterior, mas recordando que “infelizmente para o clube, as coisas não resultaram e a época culminou com a descida de divisão”.

Apesar de tudo, o técnico garante que é “com todo o gosto e orgulho” que regressa e avança com um “objectivo claro”: o regresso à terceira divisão nacional.

Sobre o plantel que irá lutar pela liderança distrital, Luís Pimentel explica que “a aposta foi, claramente, em jogadores formados no Vila Real ou, pelo menos, formados na região”, uma opção que se prendeu, sobretudo, com questões financeiras. Com a descida de divisão, “é evidente que tivemos de baixar imenso o orçamento, mas penso que conseguimos reunir um lote de jogadores que nos dá garantias de poder lutar pelo nosso objectivo”, frisou.

Alguns dos jogadores regressam ao clube, depois de dois anos fora, por diferendos, a nível financeiro, sendo que muitos deles ainda têm salários a haver. No entanto, Luís Pimentel desvalorizou os reflexos que a situação financeira possa ter no relvado, recordando que quando, há dois anos, os cofres do Sport Clube de Vila Real viveram os seus dias mais difíceis, em que a equipa chegou a ter cinco meses de salário em atraso, “os jogadores que na altura representavam o Vila Real deram uma resposta cabal no plano desportivo” fazendo um bom campeonato. No entanto, o técnico revelou que, nesta época, em que o clube tem um orçamento “mais realista”, todos estão empenhados em que uma situação semelhante não se repita e que não haja quaisquer factores que possam destabilizar, no plano desportivo.

“Queremos que haja tranquilidade da parte da Direcção, em termos orçamentais, para que possamos também fazer um trabalho mais positivo, em campo”.

Sobre a qualidade das 16 equipas que disputarão o campeonato distrital (Abambres, Alijoense, Atei, Boticas, Cerva, Montalegre, Murça, Pegarinhos, Pedras Salgadas, Régua, Sabroso, Santa Marta, Valpaços, Vila Pouca, Vila Real e Vilarinho) o mesmo responsável considerou que representarão um campeonato mais competitivo e “extremamente complicado”, em que o SC Vila Real vai ser visto como “o alvo a abater”.

“Já disse aos jogadores que a responsabilidade de jogar no Vila Real é muito maior do que se jogassem noutra das equipas, uma vez que, apesar de estar no regional, é um clube de referência nacional”, adiantou Luís Pimentel, advertindo os atletas da pressão de que serão alvo, não só ao nível da imprensa, mas, também, dos adeptos e da própria cidade, e adiantando que o clube terá que reforçar o trabalho psicológico sobre os jogadores, “de forma a transformar essa pressão em motivação, em ambição”.

Apesar de se mostrar confiante nos resultados, o treinador pediu “paciência” aos sócios e aos adeptos, já que “o campeonato não se vence na primeira ou na segunda jornada, mas sim na última” e que sairá vencedora a equipa que for “mais regular e somar mais pontos, no final”.

Dado adquirido é que esta época da AFVR será “muito interessante” e contará com “uma maior envolvência” das pes-soas da cidade e de toda a região. “A maior parte das pessoas nem sequer conhece as equipas” com que os “alvinegros” se defrontavam na terceira divisão, “enquanto se dissermos que o Vila Real vai jogar com o Murça, o Alijó, o Régua, ou com o Abambres, por exemplo, é evidente que, pela proximidade geográfica e afectiva, as pessoas se interessam mais e isso pode reflectir-se numa maior divulgação do campeonato e em mais gente nos estádios, o que, em termos de receitas, vai ser positivo”, sublinhou.

A nova equipa do SC Vila Real começou já a sua pré época e, depois de ter defrontado o Mondinense, ontem, irá jogar, hoje, em casa, pelas 19 horas, com o Mirandela.

“Foi difícil agendar jogos de preparação, porque queríamos treinar com equipas mais fortes que nos ajudassem a descortinar as dificuldades e falhas que o grupo possa ter” e, também, “pela lógica, para evitar o factor rivalidade”. No entanto, a época da 3.ª divisão começa cerca de15 dias antes do regional e as equipas já não fazem jogos de prepararão quando faltar uma semana de preparação, explicou o técnico. Assim, no próximo Domingo, dia 19, o S. C. Vila Real vai fazer o único jogo de preparação, com uma equipa da distrital, mais exactamente com o Alijoense, no campo do Fiolhoso, pelas 17 horas.

Embora ainda não haja confirmações, o clube espera fazer a apresentação da equipa no Campo do Monte da Forca, no dia 4 de Setembro, num encontro com o Desportivo de Chaves.

De recordar que, na época passada, o S. C. de Vila Real terminou o campeonato no 14.º lugar da tabela classificativa, com 30 pontos, somados ao longo de sete vitórias, 10 empates e 13 derrotas.

Amanhã, dia 17, pelas 21 horas, decorrerá, no Auditório da Sede da AFVR o sorteio que ditará o calendário do campeonato distrital, bem como o calendário da Taça da Associação vila-realense.

 

Maria Meireles

 

Plantel para a época 2007/2008

 

Vieira (S.C. Vila Real) – Guarda-Redes, 27 anos

Carlos (A.D.C. Santa Marta de Penaguião) – Guarda-Redes, 28 anos

Filipe (S. C. Mirandela) – Lateral Direito, 20 anos

Leirós (A. C. Alijoense) – Defesa, 28 anos

Miguel Teixeira (A.D.C. Santa Marta de Penaguião) – Defesa, 24 anos

José Monteiro (S.C. Vila Real) – Defesa, 36 anos

Nuno Fredy (A. C. Alijoense) – Defesa, 32 anos

Caniggia (S. C. Vila Real) – Defesa, 22 anos

Peixoto (J. Pedras Salgadas) – Defesa, 28 anos

Ernesto (S. C. Vila Real) – Médio, 23 anos

Castanha (Abambres S. C.) – Médio, 23 anos

Norberto (Amarante S. C.) – Médio, 34 anos

Fraguito II (Macedo de Cavaleiros) – Médio, 24 anos

Nuno Meia (Vila Meã) – Avançado, 24 anos

Pedro Alves (Cerva) – Avançado, 25 anos

Palhares (Sabroso S. C.) – Médio, 24 anos

Gabriel (A.D. C. Santa Marta de Penaguião) – Médio, 29 anos

Luís Carlos (A. C. Alijoense) – Médio, 27 anos

 

Treinador Principal – Luís Pimentel

Treinador Adjunto – Fernando Machado

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.