Quinta-feira, 7 de Julho de 2022

Comissão de Festas vai bater o recorde, de novo

Entre os dias 7 e 10 do próximo mês, milhares de pessoas rumarão até à freguesia de Mouçós, para participar em mais uma edição das Festas em Honra de Nossa Senhora da Pena e para serem testemunhas de um novo recorde do andor principal da procissão que atingirá, desta feita, os 22 metros de altura. […]

Entre os dias 7 e 10 do próximo mês, milhares de pessoas rumarão até à freguesia de Mouçós, para participar em mais uma edição das Festas em Honra de Nossa Senhora da Pena e para serem testemunhas de um novo recorde do andor principal da procissão que atingirá, desta feita, os 22 metros de altura.

Onze anos depois da última vez que Lagares organizou as Festas em Honra da Senhora da Pena, a população daquela aldeia da freguesia de Mouçós, em Vila Real, volta a responsabilizar-se pelas festividades, prometendo bater o recorde dos andores, no dia 9, elevando a padroeira a 22 metros de altura.

“Dentro de alguns dias, vamos levar o andor para o recinto, para começarmos a enfeitá-lo”, explicou António Teixeira, Presidente da Comissão de Festas de Lagares, explicando que as suas dimensões dificultaram o transporte.

Construída, no Porto, a estrutura conta, este ano “com 22 metros de altura e 2.500 quilos” e deverá ser ornamentada com cerca de 1.200 metros de cetim, milhares de flores e espelhos.

O acréscimo de cerca de três metros na altura do andor implicará que também seja maior o número de homens, entre 80 a 100, a transportar o andor, ao longo dos “cerca de 500 metros”, em torno da capela.

Para além do andor principal que exigirá um investimento de cerca de oito mil euros, António Teixeira contabilizou que a procissão levará um total de 15 andores, somando mais de 500 participantes, entre os figurantes e os homens e mulheres que transportarão as estruturas.

“O andor mais alto será o de Nossa Senhora da Pena e o mais pequeno será o de Nossa Senhora de Fátima que tem cerca de um metro e meio”, explicou o Presidente da Comissão de Festas, revelando que desfilarão, ainda, mais três construções de grandes dimensões, cujas alturas variam entre os 16 e os 18 metros.

A organização da Festa em Honra de Nossa Senhora da Pena alterna, todos os anos, entre as onze aldeias da freguesia de Mouçós. Ou seja: a última vez que esta romaria foi organizada por Lagares aconteceu há 11 anos, como recordou António Teixeira que, já na altura, esteve envolvido na organização.

“Esta é a terceira vez que faço parte da Comissão de Festas”, confirmou o vila-realense, referindo que, há onze anos, o andor da Senhora da Pena “deveria rondar os 15, 16 metros”.

Todos os anos, as Comissões da Festa tentam superar a altura do andor principal. No entanto, António Teixeira considera que “a estrutura não deverá crescer muito mais além dos 22 metros, até porque há que ter em conta os cabos de alta tensão, existentes no recinto da festa”.

O mesmo responsável adiantou que a Comissão de Festas pretende candidatar o andor da Senhora da Pena ao “Guinness Book of the Records”, embora ainda não tenham sido feitos os contactos com os responsáveis pelo organismo que comprove o recorde estabelecido.

Considerada uma das romarias mais concorridas do concelho e, até mesmo, do distrito, para além da “majestosa” procissão, os quatro dias de festa, entre 7 e 10 de Setembro, vão abranger um vasto cartaz de actividades, entre as quais se destaca o Concurso de Gado Maronês, a Corrida de Jericos, a Corrida de Cavalos (a passo travado), as sessões de fogo-de-artifício (no Sábado e no Domingo) e a actuação de vários agrupamentos musicais, grupos de bombos, bandas filarmónicas e ranchos folclóricos.

De realçar, ainda, a realização da Missa em memória das pessoas (cerca de uma dezena) que, há 54 anos, foram vítimas do rebentamento acidental de fogo de artificio, numa casa, durante a festa.

 

Maria Meireles

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.