Terça-feira, 6 de Dezembro de 2022
No menu items!
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Considerada pejorativa e aliada a suínos, denominação “Caves da Porca” chega ao fim

Para evitar mal entendidos, junto dos consumidores do mercado estrangeiro, em que associavam a marca chapéu da Adega Cooperativa de Murça, “Caves da Porca”, a “algo que tivesse a ver com suínos”, a sua Direcção alterou a denominação para “Caves de Murça”. “A marca era bem aceite, nos mercados nacionais, com familiaridade à denominação da […]

PUB

Para evitar mal entendidos, junto dos consumidores do mercado estrangeiro, em que associavam a marca chapéu da Adega Cooperativa de Murça, “Caves da Porca”, a “algo que tivesse a ver com suínos”, a sua Direcção alterou a denominação para “Caves de Murça”.

“A marca era bem aceite, nos mercados nacionais, com familiaridade à denominação da Porca. Porém, noutros mercados, principalmente nos externos, a marca era associada à raça suína. Esta situação também era evidente, em algumas zonas do nosso país, especialmente no Alentejo. Aliás, houve uma revista que achava a denominação comercial pouco adequada e pejorativa, para vinhos de óptima qualidade. Tivemos situações em que nos garantiam que a marca não vendia por ter o rótulo ‘Caves da Porca’ e, em grande plano, o monumento da porca” – disse Arnaldo Santos, Director Comercial da Adega Cooperativa de Murça.

A referência ao “ex-libris” de Murça continua no rótulo, mas de forma mais discreta. E alterou-se a marca chapéu para “Caves de Murça” ou “Adega de Murça”. Mesmo assim, é intenção da Adega incluir alguma informação alusiva à importância histórica do tão simbólico “berrão”, para o consumidor não criar qualquer confusão e, como tal, promover à melhoria da imagem.

Neste momento, decorre a fase de lançamento desta alteração. Algumas garrafas da Adega já ostentam a designação “Caves de Murça”. Também a entrada da própria Cooperativa ostenta, já, essa alteração.

 

Jmcardoso

PUB

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.