Terça-feira, 27 de Fevereiro de 2024
No menu items!

CONTRASENSO: “Temos de prestar um bom serviço com os meios à nossa disposição”

João de Brito, natural do Fundão e filho de um antigo cabo da GNR, é comandante do Comando Territorial de Vila Real desde janeiro de 2021. Garante que um balanço do trabalho feito “só quando cessar funções”, mas diz estar “muito motivado e empenhado”.

-PUB-

Ainda assim, confessa que o primeiro ano foi o mais complicado, devido à pandemia, que colocou um “entrave” nas ações de proximidade com a população, sobretudo os idosos, e também porque “chegado a um sítio novo, conheci os militares, durante um ano, de máscara”.

Ao longo do programa, o coronel João de Brito abordou vários temas e explicou muito do trabalho realizado pela GNR, destacando, por exemplo, as operações conjuntas com a Guardia Civil, tanto em Portugal como em Espanha, “para troca de experiências”. “Este ano, à semelhança dos últimos dois, vamos destacar militares para apoiarem a Guardia Civil na operação Jacubeu (Caminhos de Santiago) e recebemos, também, elementos espanhóis, nas nossas patrulhas”.

A presença destes elementos, afirma, “facilita o nosso trabalho”, tendo em conta a proximidade com Espanha e João de Brito dá um exemplo concreto. “O ano passado, quando houve aquele grande incêndio em Chaves, foi preciso evacuar um grupo de escuteiros espanhóis, e enviámos para lá os elementos da Guardia Civil, o que facilitou muito o nosso trabalho, pelo facto de falarem a mesma língua e também porque o grupo viu ali uma autoridade que lhes era familiar”.

Questionado sobre o efetivo do comando que lidera, o coronel João de Brito adiantou alguns números, desde logo o facto de a GNR de Vila Real abranger “77% da população do distrito e 98% do território”, o que nos levou a tentar perceber se o número de militares é suficiente. Neste campo, o comandante faz questão de frisar que “todos os anos tem havido concurso (de âmbito nacional) e ingressos na ordem das duas a três centenas de militares”, admitindo, contudo, que “há cada vez menos gente a concorrer, ou pelo menos a chegarem à fase final”.

No caso do Comando Territorial de Vila Real, “aquilo que procuro fazer é potenciar os recursos que tenho à minha disposição”, vincando que é preciso “prestar um bom serviço com os meios que temos”.

E indica que “um terço do efetivo é residente em Chaves, outro terço reside em Vila Real, menos de 10% reside fora do distrito e o restante vive em outros pontos do distrito”, indica.


Veja o vídeo AQUI

 

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.