Quarta-feira, 8 de Fevereiro de 2023
No menu items!
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Detido por caça em área de proteção

A GNR deteve um homem, de 56 anos, por caça em área de proteção, no concelho de Armamar.

-PUB-

Em comunicado, o Comando Territorial de Viseu, através do Núcleo de Proteção Ambiental (NPA) de Lamego revelou que no decorrer de uma ação de prevenção e fiscalização ao exercício do ato venatório, os elementos do NPA detiveram o suspeito que se encontrava a praticar o ato venatório a 140 metros de um Alojamento Turístico.

No decorrer da ação policial foi possível apreender uma caçadeira e 16 munições.
O detido foi constituído arguido e os factos foram comunicados ao Tribunal Judicial de Lamego.

A GNR relembra que, entre outros locais, constituem áreas de proteção (áreas onde o exercício da caça pode causar perigo para a vida, saúde ou tranquilidade das pessoas ou constitui risco de danos para os bens) praias de banho, terrenos adjacentes a estabelecimentos de ensino, hospitalares, prisionais ou tutelares de menores, científicos, lares de idosos, instalações militares ou de forças de segurança, estabelecimentos de proteção à infância, estações radioelétricas, faróis, portos marítimos e fluviais, aeroportos, instalações turísticas, parques de campismo e desportivos, instalações industriais e de criação animal.

A estes juntam-se quaisquer terrenos que os circundem, numa faixa de proteção de 500 metros ou povoados numa faixa de proteção de 250 metros, como as estradas nacionais, os itinerários principais, os itinerários complementares, as autoestradas, as estradas regionais das regiões autónomas e as linhas de caminho de ferro numa faixa de proteção de 100 metros.

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.