Domingo, 25 de Setembro de 2022

Em 20 anos, salário médio português apenas cresceu 4%

O salário médio tem crescido de forma anémica ao longo das duas últimas décadas em Portugal.

-PUB-

Apesar da remuneração média ter subido consideravelmente, se for descontado o crescimento dos preços ao longo deste período (inflação), o crescimento real do salário médio é residual.

Comparando a evolução do salário médio entre os países europeus da OCDE (salários médios em paridade de poderes de compra e descontando a inflação), Portugal tem o 4.º pior desempenho ao longo das duas últimas décadas, só melhor do que a Itália, Espanha e Grécia. Estes quatro países do sul da Europa formam o acrónimo PIGS, cronicamente deficitários e com maus desempenhos económicos.

O salário médio português apenas cresceu 4% neste período, o que representa uma diferença significativa para os países onde o salário médio mais cresceu: Lituânia (178%), Letónia (167%) e Estónia (154%). Em média, nos países europeus da OCDE, o crescimento foi de 22%, quase 6 vezes mais do que o crescimento do salário dos portugueses.

A quase estagnação do salário médio, associada ao crescimento mais elevado do salário mínimo nacional, tem levado a que, nos últimos anos, o salário mínimo represente uma percentagem cada vez mais elevada da remuneração média. Em 2021, o salário mínimo representava 64% do salário médio, sendo que em 2015 representava 55%. São também cada vez mais as pessoas que recebem o salário mínimo nacional – no final de 2021, cerca de um quarto dos trabalhadores portugueses estava nessa situação.

Os números apresentados dividem a Europa a três velocidades: economias de leste com forte crescimento económico e salarial, após o fim da União Soviética e adesão à UE; economias do centro e norte da Europa com crescimento consistente e que afirmam a sua posição entre as economias mais ricas e desenvolvidas do mundo; e as economias do sul, onde nos incluímos, que consolidam-se na cauda da Europa, praticamente estagnadas e ultrapassadas pelas mais pujantes economias de leste. Teremos algum dia a capacidade, visão reformista e ambição para descolar desta posição tão pouco honrosa?

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.