Quinta-feira, 19 de Maio de 2022

Ex-diretora da Escola de Saúde acusada de se apropriar de 35 mil euros

A antiga diretora da Escola Superior de Saúde de Bragança, Helena Pimentel, está acusada de se apropriar de 35 mil euros da instituição que integra o Instituto Politécnico de Bragança, divulgou hoje a Procuradoria-Geral Regional do Porto.

A acusação do Ministério Público na Comarca de Bragança aponta à antiga diretora e docente o crime de peculato por alegadamente se ter “apropriado de receita da reprografia e de quantias existentes na máquina de carregamento de cartões”.

O despacho de acusação, de 14 de abril, divulgado hoje, considera indiciado que a arguida se aproveitou do cargo que ocupava e não deu o encaminhamento devido às quantias que lhe foram entregues.

“Apropriou-se delas e deu-lhes o destino que quis em seu próprio proveito”, concluiu a acusação.

De acordo com o despacho, os factos terão ocorrido entre “30 de junho de 2006 e julho de 2014, naquela que é um das cinco escolas do Instituto Politécnico de Bragança (IPB).

Ao longo desses oito anos, o Ministério Pública concluiu que foram entregues à antiga dirigente “35.041 euros provenientes da receita da reprografia e de uma máquina de carregamento de cartões para fotocópias para que fossem contabilizadas na referida instituição”.

O Ministério Público acusa a arguida de ter ficado com o dinheiro e pede que seja condenada a pagar ao Estado o dito montante, por corresponder à vantagem que teve com a sua atividade criminosa”.

Helena Pimentel esteve à frente da Escola Superior de Saúde do politécnico de Bragança durante mais de uma década, tendo sido presidente do conselho diretivo, de 2006 a 2009, e diretora da mesma escola, de 2009 a 2017.

A antiga dirigente continua a fazer parte do quadro de docentes da Escola Superior de Saúde, como professora-coordenadora no Departamento de Ciências de Enfermagem.

Contactado pela Lusa, o presidente do politécnico de Bragança, Orlando Rodrigues, disse que teve conhecimento da investigação criminal à antiga diretora e da acusação do Ministério Público, que chegou à instituição “na semana passada”.

O presidente do IPB indicou que não está a decorrer nenhum procedimento interno contra a funcionária e que aguarda pela decisão do tribunal.

“Temos de deixar averiguar os factos, não podemos nós considerá-la culpada, temos que esperar que o tribunal se pronuncie”, afirmou à Lusa.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

Homem encontrado morto em casa

PREMIUM

Um lar a que todos chamam casa

Homem morre em colisão

Homem morre afogado em Valdanta

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.