Quinta-feira, 29 de Setembro de 2022

“Futuro vai exigir sacerdotes com estilo novo”

O presidente da Comissão Episcopal Vocações e Ministérios (CEVM), da Igreja Católica em Portugal, afirmou que “o futuro vai exigir sacerdotes com estilo novo”, salientando que ninguém está dispensado de “procurar as melhores formas de responder à formação sacerdotal”.

-PUB-

“Não estamos dispensados, a comissão e toda a Igreja, todos os âmbitos educativos, de em diálogo com as famílias, com as comunidades, procurar as melhores formas de responder à formação, neste caso sacerdotal”, disse D. António Augusto Azevedo, em declarações à Agência ECCLESIA, no Simpósio do Clero, em Fátima.

O presidente da CEVM, da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), explicou que o novo documento de orientação para a formação sacerdotal, que ainda vai ser discutido, inclui vários agentes, “sendo que o próprio é também agente de formação”. D. António Augusto Azevedo salienta que o documento “valoriza mais a formação seguinte, no início do ministério”, e ao longo da vida do padre, porque o caminho formativo não se esgota, “sendo natural que se chegue ao sacerdócio com algumas lacunas”, e é importante na Igreja “dar mais atenção, importância”, ao que têm de fazer após a ordenação. “O futuro vai exigir sacerdotes com estilo novo, e creio que estamos a perceber isso e para lá caminharemos. Demora o seu tempo, mas é preciso começar o caminho e passos bonitos vão ser dados”, realçou.

Na síntese sinodal da CEP, sobre a formação dos sacerdotes, lê-se que têm “uma formação deficiente quer para lidar com os problemas humanos da vida contemporânea, quer para trabalhar com os leigos, que exigem trabalho em equipa, corresponsável e de partilha de autoridade”, que não têm “formação adequada para responder a questões emergentes”.

O bispo de Vila Real, que compreende e reconhece “todos esses desafios”, assinala que a nível educativo existem “algumas dificuldades” na formação para o ministério, como há dificuldades na escola, nas famílias, e que são “inerentes à própria lógica da formação”. “É sempre difícil formar num tempo de mudança acelerada, não conseguimos imaginar o que será o futuro daqui a uma década, duas, três décadas”, acrescentou.

Com o tema ‘A Identidade relacional e ministério sinodal do presbítero’, o Simpósio do Clero termina hoje, em Fátima; D. António Augusto Azevedo fez um “primeiro balanço altamente positivo”, pela participação, de “mais de 300 padres de todo o país”, e pelo ambiente, “muito fraterno, muito saudável, muito alegre, de reflexão e de oração”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.