Quarta-feira, 24 de Abril de 2024
No menu items!

“Gosto de ajudar as pessoas e do que conseguimos trazer para a freguesia”

Com 32 anos, Adma Ribeiro Ibrahim é presidente da Junta de Freguesia de São Vicente da Raia, no concelho de Chaves, há um ano, após o autarca eleito ter falecido.

-PUB-

Foi Mário Anjos que a convenceu a integrar a lista, mas Adma não tinha ambições políticas nem pensava vir a desempenhar o papel de presidente. “Foi um convite que o senhor Mário me fez, para o ajudar no computador e com a papelada”, afirma, desconhecendo as funções que iria ter como secretária e como segunda da lista. “Aceitei para ajudar”, refere, acreditando que teria apenas trabalhos de administração. “Mas quando tive de tirar fotografias para o panfleto, assustei-me um pouco”, admite.

Passados dois anos, teve de assumir a presidência da freguesia de 270 habitantes, que inclui ainda Orjais, Segirei e Aveleda. “Foi um choque muito grande” e “foi tudo novo”, confessa. “Por mais que tratasse dos papéis, ele é que estava à frente das obras e dessas coisas”. “O senhor Mário dizia que eu era capaz de desempenhar as funções, mas nunca pensei em ser presidente”, afirma, não sabendo ainda se vai recandidatar-se. O que garante é que gosta do que faz “pelas pessoas” e do que consegue “trazer para as aldeias”. Adma diz que o que mais aprecia é “mexer com os papéis”, mas também de “estar perto das pessoas e ver o que precisam”.

Já o mais complicado são as tarefas relacionadas com as obras. “Tem sido um desafio, todos os dias. Além da comunicação, ir atrás do que é preciso para as obras e projetos que temos”. Ser uma aldeia periférica do concelho traz entraves e a distância de 30 quilómetros parece maior, como na hora de conseguir orçamentos. “É triste porque somos um pouco esquecidos”, vinca. Para as obras do depósito de água “peço orçamentos e não tenho resposta ou falam que é muito longe”, conta. Já a requalificação da sede da junta de freguesia foi possível com mão de obra da aldeia. Depois de obras no cemitério, estão previstas melhorias no forno comunitário e a requalificação da estrada.

Nascida no Brasil, veio para Portugal há quase 10 anos, para a aldeia da mãe, que decidiu voltar às raízes. Mudou-se de Santos, São Paulo, para a aldeia transmontana que não conhecia. “De um extremo para o outro, do calor para o frio” e de uma cidade populosa para uma pequena localidade.

Morando na aldeia, a autarca diz conhecer as dificuldades dos habitantes, desde o isolamento, aos problemas do dia a dia, como “ter de apanhar um autocarro para ir a Chaves, que há poucos”. “Sabemos o que precisamos para aldeia, e temos de lembrar que ela existe e que não é só Chaves”.

No início, reconhece que era olhada com alguma desconfiança, sendo mais nova e tendo pouca experiência, mas agora acha que “já se acostumaram”. Tenta manter a proximidade com os habitantes, através da realização de eventos e convívios e “as pessoas têm aderido bem”.

Tendo em conta a pouca experiência, “para tirar dúvidas, até sobre leis” tem-se valido do apoio do município e da associação de freguesias e prefere “perguntar duas ou três vezes do que fazer alguma coisa errada”.

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.