Quinta-feira, 7 de Julho de 2022

Linha do Douro discutida em assembleia do Eixo Atlântico

Realizar-se-á, amanhã, em Vila Nova de Gaia, a XI Assembleia Geral Ordinária do Eixo Atlântico do Noroeste Pensinular, na qual serão aprovadas as linhas estratégicas das actividades desta organização, para os próximos anos. Prevê-se, também, a reconversão do Eixo Atlântico num Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial, convertendo-se esta Associação, provavelmente, numa das primeiras AECT da […]

Realizar-se-á, amanhã, em Vila Nova de Gaia, a XI Assembleia Geral Ordinária do Eixo Atlântico do Noroeste Pensinular, na qual serão aprovadas as linhas estratégicas das actividades desta organização, para os próximos anos. Prevê-se, também, a reconversão do Eixo Atlântico num Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial, convertendo-se esta Associação, provavelmente, numa das primeiras AECT da Península Ibérica.

Na sequência da proposta apresentada por Nuno Gonçalves que considera a linha do Douro uma via estratégica, o sistema ferroviário será um dos pontos cruciais da Assembleia.

Recorde-se que está em causa o troço entre Marco de Canaveses e o Pocinho e a reabertura do segmento entre Pocinho e Barca D‘Alva, com consequente ligação a Espanha, por La Fregeneda, e, mais tarde, a Salamanca.

Nuno Gonçalves, Presidente da Câmara Municipal do Peso da Régua, defende esta proposta, num contexto de complementaridade da via ferroviária e da fluvial. O autarca não deixa o assunto em mãos alheias e reclama o Cais da Régua como o mais importante ponto de embarque, ao longo do rio Douro, importância reforçada pela localização geográfica estratégica de Peso da Régua que faz da cidade uma porta de entrada não só na região duriense, mas, também, na Euro-região. Este plano estratégico cumprirá melhor os seus objectivos, com a definição de traçados rodoviários alternativos que facilitem o acesso ao interior do País, a Peso da Régua e ao Douro, desencravando, definitivamente, a Região.

Nuno Gonçalves considera importante a participação do Município no Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular, como forma de aproveitamento das sinergias internas desta Associação, com o objectivo de que as mesmas se traduzam em novas oportunidades para Peso da Régua, geridas em função das necessidades reais do concelho, com vista a uma maior afirmação, aos mais diversos níveis.

Neste sentido, o actual Executivo Municipal retomou o processo de Agenda 21, cujo Plano de Acção estará concluído, nos próximos meses, e que permitirá trabalhar em consonância com as prioridades efectivas do concelho e das pessoas que aqui residem. Neste âmbito, realizou-se um “workshop”, subordinado ao tema “O Douro: motor de desenvolvimento económico” que colocou em evidência as potencialidades intrínsecas, a diversos níveis, do concelho e da região.

Peso da Régua assinou a Carta de Aalborg, dando mais um passo para a criação de soluções de desenvolvimento sustentado, capaz de permitir a criação de respostas que facilitem a fixação da população e a dinamização da economia, para quebrar o ciclo vicioso de empobrecimento e estagnação locais.

A realização das I Jornadas da Juventude, em Outubro de 2006, trouxeram a confirmação que Peso da Régua tem capacidade para crescer e se afirmar no contexto das 18 cidades que integram o Eixo Atlântico do Noroeste Pensinsular.

Para 2007, prepara-se a participação nos VII Jogos do Eixo Atlântico, que se realizarão em Vila Nova de Gaia, através das modalidades de Futebol 7 e Andebol.

Além disso, está em fase de implementação um Sistema de Informação Geográfica no Município, que representa um passo importante para que no futuro seja criado um Sistema de Informação Transfronteiriço.

O futuro do concelho de Peso da Régua depende da capacidade municipal de definição clara do que se pretende fazer, sendo a participação no Eixo Atlântico uma forma de aumentar a capacidade de resposta às questões identificadas como fundamentais no contexto geral do desenvolvimento de Peso da Régua.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.