Sexta-feira, 7 de Maio de 2021
@Arquivo

Luís Saraiva campeão nacional da maratona

O aguiarense Luís Saraiva, em masculinos, e Rafaela Fonseca, em femininos, sagraram-se hoje campeões portuguesa da maratona, título que ambos arrebataram pela primeira vez na carreira, em Palmela, Setúbal.

Na prova masculina, que cumpriu a sua 82.ª edição, o atleta do Sporting de Braga esteve quase sempre isolado ao longo da prova, que fechou em 2:18.08 horas, o melhor registo luso na prova desde o recorde de Rui Pedro Silva, no Porto, em 2013.

“Foi uma estreia, serviu para sentir como é a maratona, mas trabalhei para um resultado dentro de marca de qualificação. Fiquei muito cedo sozinho e não deu. Fica a experiência, com a convicção de noutra prova, com melhor percurso e mais companhia, fazer melhor”, disse Luís Saraiva.

Bem longe do primeiro, completou-se o pódio masculino com Fábio Oliveira (São João da Serra), em 2:21.53, e João Antunes (Prime Running), em 2:27.46.

Em femininos, estreia vitoriosa da ex-velocista Rafaela Fonseca (São Salvador do Campo, também numa corrida solitária – mesmo antes de Susana Cunha ter abandonado a prova -, para cortar a meta com o tempo de 2:51.37 horas.

Vera Nunes, que cumpriu todo o percurso, apesar de ter começado por ser guia da atleta Odete Fiúza (que desistiu na última das quatro voltas do percurso), foi segunda e última, em 3:21.13 horas.

“Apesar de tudo, ia com ambição de correr até 2:40, mas senti-me mal na segunda parte e, com o desgaste, apenas pensei em terminar, o que me deixa muito feliz, com o título”, disse Rafaela Fonseca.

No que concerne ao desporto adaptado, destaque para Manuel Mendes, do Vitória de Guimarães, que conseguiu marca de qualificação para os Jogos Paralímpicos, e ainda para Ricardo Gomes, que também conseguiu marca para os surdo-olímpicos.

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.