Domingo, 23 de Janeiro de 2022
© DR

Mais 1.477 novos casos, nove mortes e aumento de internamentos

Portugal regista hoje 1.477 casos confirmados de infeção com o coronavírus SARS-CoV-2, nove mortes associadas à covid-19 e um aumento nos internamentos em enfermaria e em cuidados intensivos, indicam os dados oficiais.

-PUB-

De acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) divulgado hoje, estão agora internadas 383 pessoas, mais três do que na quarta-feira, das quais 64 em unidades de cuidados intensivos, mais duas nas últimas 24 horas.

Das nove mortes, três ocorreram na região do Norte, três em Lisboa e Vale do Tejo, duas no Algarve e uma no Centro.

Segundo a DGS, cinco das vítimas mortais tinham mais de 80 anos, três entre 70 e 79 anos e uma entre 60 e 69 anos.

Desde março de 2020, morreram 18.231 pessoas e foram contabilizados 1.102.438 casos de infeção.

O maior número de óbitos continua a concentrar-se entre os idosos com mais de 80 anos (11.897), seguido das faixas etárias entre os 70 e os 79 anos (3.904) e entre os 60 e os 69 anos (1.658).

Do total de vítimas mortais registadas até à data em Portugal, 9.553 eram homens e 8.678 mulheres.

Os dados divulgados pela DGS mostram também que nas últimas 24 horas aumentaram os casos ativos, mais 722, para um total de 35.250, e que 746 pessoas foram dadas como recuperadas da covid-19, o que aumenta o total nacional para 1.048.957 recuperados.

Nas últimas 24 horas, o número de contactos em vigilância pelas autoridades de saúde subiu (mais 969), situando-se agora nos 26.920.

O novo coronavírus já infetou em Portugal pelo menos 510.554 homens e 591.131 mulheres, de acordo com os dados da DGS, segundo os quais há 753 casos de sexo desconhecido, que se encontram sob investigação, uma vez que esta informação não é fornecida de forma automática.

Entre as novas infeções destaca-se a faixa etária dos 40 aos 99 anos (mais 229), seguida dos zero aos nove anos (mais 216), dos 20 aos 29 anos (mais 202), dos 30 aos 39 anos (mais 201), dos 50 aos 59 anos (mais 166), dos 60 aos 69 anos (mais 146), dos 10 aos 19 anos (mais 135), dos 70 aos 79 anos (mais 115) e mais de 80 anos (mais 67).

O maior número de infeções nas últimas 24 horas ocorreu na região de Lisboa e Vale do Tejo, onde foram notificadas 549, contabilizando-se até agora nesta área geográfica 425.401 casos e 7.758 mortos.

A região Norte registou 322 novas infeções por SARS-CoV-2, totalizando 419.118 casos de infeção e 5.614 óbitos desde o início da crise pandémica.

Na região Centro registaram-se mais 365 casos, perfazendo 149.795 infeções e 3.195 mortos.

As regiões de Lisboa e Vale do Tejo, Norte e Centro contabilizam cerca de 84% dos novos casos.

No Alentejo foram assinalados 74 novos casos de infeção, totalizando 40.585 contágios e 1.056 mortos desde o início da pandemia.

Na região do Algarve, o boletim de hoje da DGS contabiliza 118 novos casos, acumulando-se 44.847 contágios pelo SARS-CoV-2 e 486 óbitos.

A região Autónoma da Madeira contabilizou 44 novos casos, somando 13.153 infeções e 76 mortes devido à doença covid-19 desde março de 2020.

Nas últimas 24 horas, e segundo a DGS, os Açores registaram cinco novos casos, o que eleva para 9.539 contágios desde o início da pandemia e 46 mortes devido à doença.

As autoridades regionais dos Açores e da Madeira divulgam diariamente os seus dados, que podem não coincidir com a informação divulgada no boletim da DGS.

A covid-19 provocou pelo menos 5.071.273 mortes em todo o mundo, entre mais de 251,37 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.231 pessoas e foram contabilizados 1.102.438 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.