Quinta-feira, 20 de Janeiro de 2022
© DR

Mais 14 mortes, 2.216 infeções e novo aumento na taxa de incidência

Portugal regista hoje mais 14 mortos associados à covid-19 e mais 2.216 infeções com o vírus que causa a doença, revela o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS). A incidência de infeções voltou a aumentar e o índice de transmissibilidade (Rt) desceu ligeiramente

-PUB-

Segundo a DGS, o número de pessoas internadas com a doença aumentou nas últimas 24 horas. São hoje 948 (mais 37 do que no domingo) e 135 delas estão em unidades de cuidados intensivos (mais uma).

A maior parte dos novos casos foi diagnosticada na região Norte (683), seguindo-se a região de Lisboa e Vale do Tejo (662), o Centro (480), o Algarve (218) e o Alentejo (50). Das 14 mortes, cinco ocorreram na região do Algarve, quatro em Lisboa e Vale do Tejo, três na região Norte e duas na região Centro.

Das 14 mortes, cinco ocorreram na região do Algarve, quatro em Lisboa e Vale do Tejo, três na região Norte e duas na região Centro. Por idades, seis das pessoas que morreram tinha entre 70 e 79 anos e as restantes oito tinham mais de 80.

A incidência de infeções do vírus SARS-CoV-2 a nível nacional voltou a aumentar, passando para 410,4 casos por 100 mil habitantes, enquanto o índice de transmissibilidade (Rt) desceu ligeiramente para 1,10 no país.

Segundo o boletim epidemiológico divulgado hoje pela Direção-Geral da Saúde (DGS), a nível nacional, a taxa de incidência passou, desde sexta-feira, de 374 casos de infeção por 100 mil habitantes a 14 dias para os atuais 410,4. Considerando apenas Portugal continental, este indicador registou também um crescimento de 376,5 casos por 100 mil habitantes para 413,9.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.