Segunda-feira, 15 de Agosto de 2022

Mais 325 bombeiros profissionais nas associações humanitárias

O Ministério da Administração Interna (MAI) indicou hoje que foi autorizada a constituição de 65 novas Equipas de Intervenção Permanente (EIP) nas corporações de bombeiros voluntários no segundo semestre do ano, totalizando 325 bombeiros.

-PUB-

Em comunicado, o MAI refere que atualmente estão autorizadas 734 EIP e estão a funcionar 553 equipas que são uma resposta profissional permanente aos riscos de proteção civil nas associações humanitárias de bombeiros.

Segundo o MAI, esta autorização de celebração dos 65 protocolos permite a constituição de quatro primeiras equipas, 11 segundas equipas, criadas em corpos de bombeiros onde já existia uma EIP, 49 terceiras equipas e uma quarta EIP.

O MAI precisa que, das 65 novas EIP, 36 serão constituídas em territórios de baixa densidade e refere que a seleção destas equipas “foi baseada em critérios objetivos e verificáveis, estabelecidos pela Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e apresentados à Liga dos Bombeiros Portugueses”.

Os protocolos, a celebrar entre a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, as câmaras municipais e as associações humanitárias de bombeiros, visam melhorar a eficiência da Proteção Civil e as condições de prevenção e socorro face a acidentes e catástrofes, de acordo com o MAI.

As EIP, pagas em partes iguais pela Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e pelas câmaras municipais respetivas, são equipas formadas por cinco bombeiros profissionais que se destinam ao cumprimento de missões no âmbito da Proteção Civil.

O MAI refere ainda que os bombeiros que integram estas equipas são caracterizados pela elevada especialização, com competências em valências diferenciadas para atuarem em diferentes cenários.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.