Sábado, 2 de Julho de 2022

Mais dois cais turísticos, no rio Douro, enriquecem navegação fluvial

Em 2007, o Douro vai ter mais dois cais turísticos, com equipamentos destinados a navegação fluvial. Assim, o cais de Folgosa do Douro (Armamar), embora já esteja apto para receber embarcações, só recentemente viu concluído o concurso para a concessão do restaurante panorâmico fluvial e da respectiva loja de artesanato. Ao que apurámos, o vencedor […]

Em 2007, o Douro vai ter mais dois cais turísticos, com equipamentos destinados a navegação fluvial. Assim, o cais de Folgosa do Douro (Armamar), embora já esteja apto para receber embarcações, só recentemente viu concluído o concurso para a concessão do restaurante panorâmico fluvial e da respectiva loja de artesanato. Ao que apurámos, o vencedor da concessão foi o restaurante Cepa Torta, de Alijó. Segundo uma fonte do Instituto Portuário dos Transportes Marítimos, IPTM, “a atribuição da concessão está já para a aprovação da Administração do IPTM e, mal saia, poderá abrir, de imediato”. “O cais já está funcional e apenas falta a parte dos serviços que são activados mal seja entregue a chave”- confirmou. O concessionário, além de fazer a exploração do restaurante e a gestão da marina, possuirá uma loja de artesanato e produtos regionais. Em princípio, “dentro de dois meses, estará funcional”. Ou seja, preparado, já, para a próxima época do turismo fluvial (início em Março ou Abril).

O outro cais será o da Foz do Távora (Tabuaço), estrutura já concluída e numa fase em que o Município está a elaborar o caderno de encargos, para a atribuição da concessão da exploração de um bar”. Na próxima época de 2007 estará, já, funcional.

Refira-se, ainda, que, na mesma albufeira, está prevista a remodelação do cais fluvial de Bagaúste, cujas obras deverão arrancar, igualmente, em 2007.

 

Jmcardoso

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.