Sábado, 3 de Dezembro de 2022
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Ministro da Saúde promete solução para dívida a empresa de hemodiálise “nas próximas semanas”

O ministro garantiu que haverá um apoio de tesouraria no imediato e, posteriormente, uma solução estrutural para este problema

PUB

O ministro da Saúde, Manuel Pizarro, afirmou que o pagamento da dívida à empresa de hemodiálise Tecsam vai ser resolvido “nas próximas semanas”.

Numa entrevista à Antena 1 e Jornal de Negócios, o governante afirmou que pretende reduzir a dívida do Serviço Nacional de Saúde a fornecedores, incluindo nestes pagamentos os valores em atraso à empresa transmontana Tecsam. O ministro prometeu que o problema será “resolvido de forma cabal”, porque no caso deste tratamento “depende mesmo a vida das pessoas, não depende apenas a qualidade de vida, mas mesmo a sobrevivência das pessoas”. O ministro garantiu assim que “haverá um apoio de tesouraria para resolver os casos mais candentes e depois haverá uma solução estrutural para este problema, no contexto da redução global da dívida”.

A semana passada a empresa Tecsam, proprietária de três centros renais em Trás-os-Montes e Alto Douro, em Vila Real, Mogadouro e Mirandela, denunciou que a prestação do serviço de hemodiálise estaria em risco devido ao atraso substancial nos pagamentos por parte do Estado.

O diretor executivo da empresa prestadora dos serviços de hemodiálise afirmou que há um atraso no pagamento dos serviços por parte da Unidade Local de Saúde (ULS) Nordeste, da ARS Norte e da ULS Guarda, num valor superior a 4 milhões de euros, o que põe em causa a liquidez e tesouraria. O responsável afirmou que tal situação impossibilita o pagamento atempado aos 150 trabalhadores, bem como o fornecimento de material necessário para os tratamentos, pondo em risco a prestação do serviço de hemodiálise a cerca de 330 utentes com insuficiência renal hemodiálise em Trás-os-Montes e Alto Douro.

PUB

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.