Domingo, 22 de Maio de 2022

Mulher detida por incêndio florestal

O Comando Territorial de Vila Real, através da Equipa de Proteção Florestal (EPF) do Núcleo de Proteção Ambiental (NPA), deteve uma mulher por incêndio florestal, no concelho de Vila Real, no dia 6 de abril.

No seguimento de um alerta de incêndio florestal, os elementos da EPF deslocaram-se de imediato para o local, onde apuraram que o incêndio teve origem numa queima de amontoados para eliminar sobrantes florestais. “A mesma estava devidamente autorizada, mas deverá ter-se descontrolado, provocando um incêndio que consumiu cerca de 0,25 hectares de mato”, lê-se numa nota enviada às redações.

No decurso das diligências policiais foi detida uma mulher de 70 anos e os factos foram comunicados ao Tribunal Judicial de Vila Real.

De referir que ao longo do ano de 2021, o Comando Territorial de Vila Real identificou 83 suspeitos de incêndios florestais, oito dos quais detidos em flagrante. Este ano, foram já identificados 22 suspeitos de incêndios florestais, dez dos quais detidos em flagrante.

Na mesma nota, a GNR recorda que as queimas e queimadas são as principais causas de incêndios em Portugal e que a realização de queimadas, de queima de amontoados e de fogueiras é proibida sempre que se verifique um nível de perigo de incêndio rural “muito elevado” ou “máximo”, estando dependente de autorização ou de comunicação prévia noutros períodos;

De salientar que a Guarda Nacional Republicana, através do Serviço da Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) tem como preocupação diária a proteção ambiental e animal. No caso de denúncia de infrações, ou apenas para esclarecimento de dúvidas, deverá ser utilizada a Linha SOS Ambiente e Território (808 200 520), que funciona em permanência.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.