Segunda-feira, 29 de Novembro de 2021

Museu de Lamego e Escola Latino Coelho refletem sobre passado colonial

O Museu de Lamego e a Escola Secundária Latino Coelho, que comemora 141 anos, desenvolvem o projeto comum “Sala colonial”, com o objetivo de provocar o autoquestionamento, de refletir sobre o passado colonial e promover uma educação crítica.

-PUB-

“O projeto conta com o envolvimento de um grupo de professores da escola, por forma a promover a ativação de uma educação crítica, de autoquestionamento em relação ao passado colonial e estas representações que ainda perduram nos nossos espaços públicos educativos, na linguagem, na cultura e nos comportamentos do quotidiano”, explicou à Lusa a diretora do Museu de Lamego, Alexandra Falcão.

A “Sala colonial”, que tem o seu espaço físico, embora atualmente desativado, na Escola Secundária Latino Coelho, de Lamego (o antigo Liceu Nacional Latino Coelho, da cidade), assenta numa proposta da artista e investigadora Catarina Simão.

A 8 de novembro, dia do 141º aniversário da escola, o projeto será apresentado na instituição de ensino e será reaberta à comunidade escolar a sala do Museu das Ciências Naturais que, contrariamente ao que aconteceu à sala colonial, manteve o seu recheio, nomeadamente “objetos de espécies vivas como carapaças, peles, mapas e fotografias”.

O restante, de um total de 288 objetos, “sobretudo, lanças, flexas, máscaras, estatuetas, instrumentos musicais, objetos utilitários de cestaria, calçado, pentes e adornos femininos foram para o Museu de Lamego”.

Com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian, da Direção Regional de Cultura do Norte e do Município de Lamego, o projeto tem o “potencial pedagógico reflexivo no impulso para uma formação humanística, de condutas cívicas, igualitárias e de justiça social, que são as linhas estratégicas” do museu, explicou Alexandra Falcão à Lusa.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.