Quinta-feira, 20 de Janeiro de 2022

Papa convida a preparar o Natal com atitude de vigilância e oração

O Papa assinalou no domingo, no Vaticano, o primeiro domingo do Advento, o tempo litúrgico de “preparação para o Natal” no calendário católico, pedindo centralidade para a oração.

-PUB-

“Mesmo nos dias mais movimentados, não negligenciemos a oração”, disse aos peregrinos reunidos na Praça de São Pedro, para a recitação do ângelus, já com a árvore de Natal instalada no local.

Francisco recomendou aos presentes que façam uma “oração do coração”, repetindo invocações curtas ao longo do dia, como “Vem, Senhor Jesus!”.

“Pensemos no presépio, pensemos no Natal e digamos, no coração, ‘Vem Senhor Jesus. Vem!’. Repitamos esta oração, ao longo do dia, e a alma ficará vigilante”, declarou.

O Papa considerou que a oração é um “ingrediente essencial” para manter o coração vigilante.

“É a oração que mantém acesa a lâmpada do coração. Principalmente quando sentimos que o entusiasmo perde calor, a oração reacende-o, porque nos leva de volta a Deus, ao centro das coisas”, precisou.

A reflexão começou por sublinhar uma das dimensões centrais do Advento, a espera, a vigilância. “Estar vigilante significa isto: não permitir que o coração se torne preguiçoso e a vida espiritual se amoleça na mediocridade. Prestemos atenção, porque é possível ser um ‘cristão adormecido’ alertou.

Francisco questionou uma fé vivida “sem entusiasmo pela missão, sem paixão pelo Evangelho”, que leva as pessoas a “cair na apatia. Esta é uma vida triste, não traz felicidade”, observou.

No final do encontro de oração, o Papa deixou uma saudação aos vários grupos de peregrinos, incluindo fiéis de Timor-Leste e de Lisboa.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.