Sábado, 2 de Julho de 2022

Saída de José Coelho surpreende funcionários e Direcção

A Direcção do Centro de Atendimento a Toxicodependentes (CAT) de Vila Real foi renovada, deixando de fora José Coelho que termina a sua comissão de serviço, naquele organismo. Uma notícia que “apanhou de surpresa” os funcionários do Centro e, até mesmo, o próprio Director. Apesar de, até à hora do fecho desta edição do Nosso […]

A Direcção do Centro de Atendimento a Toxicodependentes (CAT) de Vila Real foi renovada, deixando de fora José Coelho que termina a sua comissão de serviço, naquele organismo. Uma notícia que “apanhou de surpresa” os funcionários do Centro e, até mesmo, o próprio Director.

Apesar de, até à hora do fecho desta edição do Nosso Jornal, não ter sido possível entrar em contacto com a Direcção do CAT ou com Director substituído, uma fonte daquele organismo, que não quis identificar-se, garantiu que “a situação surpreendeu todos”. “Em equipa vencedora, não se mexe”, explicou a mesma fonte, salientado que está em curso uma série de projectos que poderão ser postos em causa, com esta mudança, na Direcção, nomeadamente o processo de certificação do CAT que, a concretizar-se, vai fazer do centro vila-realense o segundo, na Europa, com a devida acreditação de qualidade.

A mesma fonte adiantou que a próxima Directora será Margarida Lourenço que, actualmente, dirige a unidade de prevenção do CAT.

Segundo documentação do Instituto da Droga e Toxicodependência (IDT- entidade responsável pelos Centros) aos CAT “compete prestar cuidados compreensivos e globais a toxicodependentes, individualmente ou em grupo, segundo as modalidades terapêuticas mais apropriadas para cada situação, em regime ambulatório”.

“O recrutamento para os cargos dirigentes do IDT é feito por escolha, de entre indivíduos que possuam habilitações, aptidão, formação e experiência profissional adequadas ao exercício das respectivas funções”, explica o Regulamento do Pessoal Dirigente daquele Instituto que estipula que “o Director de unidade especializada é designado por deliberação do Conselho de Administração, sob proposta do Delegado Regional respectivo”, para uma comissão de serviço de três anos.

Recentemente, José Coelho adiantou alguns dos projectos do CAT, nomeadamente os esforços encetados para encontrar uma nova sede, para aquele serviço que, no ano passado, contou com 102 novos doentes e 80 reentradas e que, no âmbito do Programa Vida/Trabalho, foi o que teve maior sucesso, integrando, na vida activa, cerca de 80 toxicodependentes, em recuperação.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.