Quinta-feira, 7 de Julho de 2022

Secretário de Estado vila-realense muda de “pasta”

António Costa deixou o Ministério da Administração Interna para “tentar” governar Lisboa e, embora José Sócrates tenha assumido, publicamente, que a remodelação do Governo foi limitada “ao indispensável”, uma das novidades vai para a alteração da pasta de Ascenso Simões que, de Secretário de Estado da Administração Interna, passa, a partir de hoje, a tutelar, […]

António Costa deixou o Ministério da Administração Interna para “tentar” governar Lisboa e, embora José Sócrates tenha assumido, publicamente, que a remodelação do Governo foi limitada “ao indispensável”, uma das novidades vai para a alteração da pasta de Ascenso Simões que, de Secretário de Estado da Administração Interna, passa, a partir de hoje, a tutelar, apenas, a Protecção Civil.

Está agendada, para hoje, a tomada de posse de Rui Carlos Pereira como novo Ministro da Administração Interna, assumindo as funções de António Costa que, no dia 1 de Julho, vai concorrer às eleições à Câmara Municipal de Lisboa.

Segundo a Agência Lusa, “da equipa que estava com António Costa mantém-se José Magalhães, como Secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna; Ascenso Simões, como Secretário de Estado da Protecção Civil e Fernando Rocha Andrade, como Subsecretário de Estado da Administração Interna. Eduardo Cabrita, Secretário de Estado Adjunto e da Administração Local, mantém-se no cargo, mas passa para a dependência directa do Primeiro-Ministro, José Sócrates”.

O Jornal de Notícias citou, na sua edição de ontem, fontes do Executivo que justificaram a transição de Ascenso Simões, com “problemas que chegaram a levantar a hipótese de uma não continuidade do governante e que levam a que as suas competências ainda não estejam completamente fechadas: falta saber, por exemplo, se ficará, ainda, com a Prevenção Rodoviária”.

 

MM

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.