Sábado, 3 de Dezembro de 2022
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Verba do PRR para combate aos incêndios “é insuficiente”

O presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, António Nunes, considera insuficientes as verbas do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) para o combate a incêndios.

PUB

António Nunes defende que a verba deve ser reforçada.

“Consideramos que a verba que está hoje consignada diretamente no PRR nos fundos florestais para o combate aos incêndios florestais é insuficiente. Achamos que devia ser reforçada”, afirmou.

O presidente do Conselho Executivo falava em Ourém, no distrito de Santarém, após uma reunião extraordinária do Conselho Nacional da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP), órgão máximo entre congressos.

Antonio Nunes disse que podem ser encontradas outras rubricas orçamentais e “até outras rubricas de fundos comunitários para isso”, insistindo que a verba que “está neste momento em cima da mesa, em discussão, é manifestamente insuficiente”.

Segundo o presidente da Liga, que tomou posse a 8 de janeiro, o PPR prevê atribuir, no que diz respeito a combate a incêndios, “cerca de 47 veículos”.

“Achamos que o mínimo para Portugal eram 100 veículos”, declarou, acrescentando que “os bombeiros portugueses, desde há cerca de 20 anos, que não têm tido reequipamento de material que não seja, exclusivamente, por fundos comunitários, o que não era uma tradição”.

A este propósito, António Nunes referiu que no Ministério da Administração Interna “há um plano de reequipamento para as forças de segurança, mas não há um plano de reequipamento para as forças de socorro”, pedindo tratamento igual para bombeiros e forças de segurança.

“As forças de socorro e de segurança têm de estar no mesmo patamar e se se investiu cerca de 400 milhões de euros para a reabilitação de esquadras, de postos, atribuição de viaturas – e bem – (…), era bom que o Orçamento do Estado passasse a ter uma verba anual, como teve no passado, para o reequipamento dos corpos de bombeiros”, adiantou.

Segundo o presidente da Liga, só assim é que se deixa de querer distribuir viaturas pelos corpos de bombeiros “pondo como um dos critérios quem tiver viaturas com mais de 20 anos”.

Ao colocar este critério, faz-se uma ‘mea culpa’ de que se aceita que “haja viaturas com mais de 20 anos que estejam a socorrer cidadãos ou a combater incêndios florestais”, alertou, referindo que tal “é absolutamente inaceitável em Portugal”, sendo um país da Europa.

Para o presidente da LBP, “o Governo deve considerar um plano de reequipamento de médio prazo”, olhando para “os riscos e as vulnerabilidades de cada uma das áreas de atuação dos corpos bombeiros”, os efetivos a cada momento e a capacidade de resposta que as corporações devem ter.

PUB

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.