Terça-feira, 21 de Maio de 2024
No menu items!

“Votar é um dever de todos”

Foi a 25 de Abril de 1974 que o país se libertou de uma ditadura e, após 48 anos, voltou a ser uma democracia.

-PUB-

A pouco mais de um mês de se cumprirem 50 anos da revolução dos cravos, Portugal foi a votos, para eleger os 230 deputados da Assembleia da República e, consequentemente, o novo Governo.

Dos mais novos aos mais velhos, foram muitos os que se dirigiram às urnas porque, além de um direito, “votar é um dever de todos”.

“Nunca falhei, votei sempre. Temos que fazer a nossa parte”
ANTÓNIO VAZ 

Que o diga António Vaz, de 63 anos. Viveu em tempo de ditadura e no domingo lá estava ele a votar em Vila Verde, no concelho de Alijó. Chegou no sábado do Luxemburgo, onde foi visitar a filha, para exercer, mais uma vez, o seu direito.

“Nunca falhei, votei sempre. Temos que fazer a nossa parte”, afirmou, esperando que “haja algumas melhorias”, porque “estamos fartos de ladrões”.

Já Rodrigo Silva, de 18 anos, conhece os tempos de ditadura apenas dos livros de história. Encontrámo-lo em Lordelo, no concelho de Vila Real, onde votou pela primeira vez. Diz ser “um direito de todos e também um dever, porque é importante podermos decidir aquilo que queremos para o nosso país”.

“Vi as propostas dos vários candidatos e acho que tomei a melhor decisão”
RODRIGO SILVA 

Sobre a escolha, “foi um pouco complicada”, desde logo porque no boletim de voto encontrou 13 opções. “Cada um tem as suas opiniões, mas tive o cuidado de ver as propostas dos vários candidatos e acho que tomei a melhor decisão”, refere.

E voltando a Vila Verde, Cátia Carvalho, de 31 anos, admite ter amigos que “não votam porque dizem que são todos iguais e que não vale a pena perder tempo porque o país vai ficar igual”.

Para esta eleitora, “só continua igual se não votarmos e não mostrarmos o nosso ponto de vista”. Além disso, vinca, “só votando é que temos direito de reclamar do que não está bem”.

VOTO DOS JOVENS

De acordo com uma sondagem da Universidade Católica, os jovens estão mais tentados a votar à direita. Na faixa etária dos 18 aos 34, Aliança Democrática (AD), Chega e Iniciativa Liberal são quem mais votos recebe.

“Tenho amigos que não votam porque dizem que é uma perda de tempo”
CÁTIA CARVALHO

Olhando para a eleições legislativas de 2022, há menos jovens a referir que não iriam votar no dia 10 de março, passando de 6 para 2 por cento. Por outro lado, o número de indecisos aumentou 6%.[/block]

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS