Terça-feira, 18 de Janeiro de 2022
©Lino Silva

Banda à Varanda encerra ciclo de concertos no Teatro Ribeiro Conceição

Com a participação da Banda Sinfónica Transmontana e elementos da Banda Filarmónica de Magueija

-PUB-

A Inquieta – Agência Criativa está a celebrar os 20 anos de Douro Património Mundial com o seu projeto “Bandas à Varanda”. O último concerto de um ciclo de 4 está agendado para hoje, às 21h30, no Teatro Ribeiro Conceição, em Lamego. Este espetáculo contará com a participação da Banda Sinfónica Transmontana e elementos da Banda Filarmónica de Magueija.

Recorrendo ao conceito criado em 2016, a Inquieta volta a convidar o público “a olhar para cima: que é onde o futuro acontece” num concerto que não é tradicional.  “O espectáculo é desenhado consoante o local onde o concerto irá ser realizado” conta Eduarda Freitas, da Inquieta, não havendo dois espectáculos iguais, “porque os espaços onde vão ser feitos condicionam a forma como os músicos se vão posicionar, como se vão ouvir e, também, o local onde o público vai estar a assistir”.

A música tem também uma parte electrónica e um jogo de luzes que dá uma dimensão ainda mais teatral, interessante e contemporânea ao espectáculo. Em paralelo, há todo um trabalho de produção de envolver a comunidade local onde o concerto vai ser realizado, “pois é necessário falar com os donos das casas onde estão as varandas, envolvê-los no processo para que abram as suas casas e as suas varandas aos músicos”, sublinha.

Até ao final deste ano, 4 localidades durienses receberam 4 Bandas Filarmónicas locais, num ciclo de 4 concertos com partituras escritas a 4 mãos pelos jovens compositores Ângela da Ponte e Fábio Videira, uma ousada componente performativa e teatral encenada por Ángel Fragua e direção musical e artística de Valter Palma e Luís Santos.

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.