Sábado, 4 de Fevereiro de 2023
No menu items!
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Barragem do Catapereiro retomou produção de eletricidade

O presidente da Câmara de Foz Côa disse hoje que a barragem do Catapereiro retomou a produção de energia.

-PUB-

Após um período de baixas reservas devido à seca, a barragem do Catapereiro retomou a produção de energia e encontra-se na sua cota máxima.

“A barragem, durante o ano de 2022, não trouxe lucro à autarquia e também não podemos dizer que deu prejuízo. Certo é que, desde dezembro, a barragem do Catapereiro está novamente a produzir eletricidade e está com o seu caudal em pleno”, explicou à Lusa João Paulo Sousa, indicando que a produção “parou em março/abril” de 2022.

Segundo o autarca, a manter-se este caudal na barragem, após as chuvas de dezembro e janeiro, “ficaremos com um valor de faturação que ultrapassa os 300 mil euros por mês (ilíquidos)”.

“Se até abril mantivermos esta faturação ilíquida [mais de 300 mil euros/mês], o município terá um rendimento substancial. Não consigo fazer mais estimativas, porque ainda não há elementos disponíveis. Mas estou certo de que o ano será bom para o município, no que diz respeito à produção de energia da barragem da Catapereiro”, disse.

Em janeiro de 2022, em pleno período de seca, João Paulo Sousa avançava à Lusa que em 2021 a barragem produziu cerca de 1,5 milhões de euros [brutos] de eletricidade que foi comercializada com a EDP.

Já em 2022, este rendimento ficou “muito comprometido, devido à seca”.

Esta barragem é gerida pela empresa Ribeira da Teja, da qual o município de Vila Nova de Foz Côa, no Douro Superior, tem 56% do capital, estando o empreendimento localizado na parte norte deste concelho.

A barragem do Catapereiro situa-se na ribeira da Teja, tendo sido projetada em 1992 e entrando em funcionamento em 1999.

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.