Sábado, 3 de Dezembro de 2022
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

CITRIME quer salvaguardar a memória da educação na região

"200 anos de educação em Murça”. Este foi o tema abordado na quarta edição do colóquio internacional “Educação, herança cultural e desenvolvimento”, que se realizou no Auditório da Biblioteca Municipal.

PUB

Margarida Felgueiras, responsável pelo Centro de Memória da Educação de Murça (CITRIME), revelou à VTM que está a ser preparado um livro sobre a história da educação na região. “A ideia foi salvaguardar a memória da educação desta região, porque dentro de todas as heranças culturais que há, a da educação é aquela que se dá menos importância, porque se saber muito pouco sobre a sua evolução. Há muitas heranças dessa educação passada e, muitas vezes, as pessoas não tem consciência que condiciona o próprio desenvolvimento da educação de hoje”.

“Sabemos que são trabalhos lentos, demorados, mas é um perigo não se fazerem”
Margarida Felgueiras, CITRIME

A professora lembrou que “não há presente, nem futuro, sem passado”. Portanto, “são criadas mitologias acerca das coisas, porque não há estudos. Por exemplo, tanto se tem falado da separação entre sexos nas escolas, mas antigamente havia muitas aulas mistas, havia crianças e adultos na mesma escola a estudar. E o livro vai mostrar uma realidade que é mais forte do que a legislação”.

Apesar das dificuldades para a investigação, Margarida Felgueiras refere que há perigos em não se fazerem estudos aprofundados. “Sabemos que são trabalhos lentos, demorados, mas é um perigo não se fazer, porque o passado está presente e se nós não o conhecermos, ele pode voltar ao de cima, em formas falsificadas, enganadoras, utilizadas para diversos fins e não são propriamente para o esclarecimento e a cidadania que procuramos com a educação”.

“Permite-nos fazer uma comparação da educação não só em Murça, mas no país todo”
Vilma Pereira, vereadora CM Murça

Para além das inúmeras atividades que está a desenvolver, o CITRIME está também a preparar um livro sobre vidas dedicadas à educação, porque “é preciso reconhecer a competência, a dedicação de muitos professores ao longo do tempo. É uma profissão que precisa de ser acarinhada, porque é fundamental na construção das gerações futuras”.

Vilma Pereira, vereadora da câmara municipal, sublinhou que “é um orgulho” para Murça ser alvo deste estudo sobre educação ao longo de 200 anos. “É importante partilhar todas as investigações não só com a nossa gente, mas também para fora. Enquanto município, permite-nos fazer uma introspeção do que foi o desevolvimento da educação no concelho. Por exemplo, os investigadores estão a fazer uma recolha sobre como era a educação no tempo em que eu estudei, mas também a minha mãe, os meus avós. Tudo isto pode ser do conhecimento público, permite-nos fazer uma comparação da educação não só em Murça, mas no país todo”, frisa.

O colóquio foi organizado pelo CITRIME em parceria com a Câmara de Murça e abordou muitas outras temáticas, como os jogos no recreio, que escolas existiam, o papel das autarquias no ensino, entre outros.[/block]

PUB

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.