Sexta-feira, 20 de Maio de 2022

Comissão Administrativa vai “fazer a gestão corrente” dos Bombeiros de Salto

Foi ontem eleita e empossada a Comissão Administrativa que irá gerir a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Salto por tempo indeterminado e até que estejam reunidas as condições para avançar com um novo ato eleitoral

Sem direção desde janeiro, após uma “demissão em bloco” fruto de uma divergência interna, e depois de “duas tentativas frustradas” de levar a bom porto um ato eleitoral, a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários (AHBV) de Salto reuniu os seus sócios em Assembleia Magna, ontem à noite, para analisar a atual situação da instituição e para eleger uma Comissão Administrativa.

Segundo Orlando Alves, presidente da Mesa da Assembleia Geral, “a turbulência e instabilidade” da situação “degradaram a imagem da casa, da instituição. Entendemos não ser, de todo, sensato avançar para outro ato eleitoral, sobretudo por respeito ao corpo de Bombeiros que não recebe o merecido salário há já dois meses”.

Por conseguinte, “entendemos ser melhor eleger ou nomear, temporariamente, uma Comissão Administrativa que irá fazer a gestão corrente dos assuntos prementes desta casa. Neste momento, é necessário haver frieza de espírito e muita consciência”, frisou.

Após meia hora dedicada a intervenções dos associados, período em que ficou clara a vontade “de regressar a uma estabilidade”, a Mesa fez um intervalo de 10 minutos para a apresentação de listas a sufrágio nessa mesma sessão.

Foi apresentada uma única lista, encabeçada por Alberto Martins Fernandes, que, num discurso breve, explicou que a sua candidatura se deve “ao amor” que tem “a Salto e aos Bombeiros. Será uma missão ingrata, mas tem de ser feita”. Segundo o próprio, “a intenção é pacificar, resolver e por a máquina a funcionar. Chegou a hora de dar o meu contributo”.

Após o devido sufrágio, a lista apresentada foi eleita com 29 votos a favor, três votos contra e dois votos em branco. De seguida, Orlando Alves empossou a lista “para que na próxima segunda-feira (14) já possa começar a tratar de tudo”, justificou.

O presidente da Mesa da Assembleia aproveitou para “agradecer o trabalho notável feito pela direção cessante ao longo dos últimos seis anos” e deixou claro que “saímos todos conscientes do imenso trabalho que alguém tem de fazer aqui dentro”.

De referir, ainda, que no decorrer da sessão o presidente da Mesa da Assembleia recebeu uma carta de demissão do comandante em funções, Hernâni Carvalho. Porém, reiterou que não a irá aceitar, “até porque não é a mim que a tem de apresentar mas, sim, a uma direção que não existe. Mas toda a gente tem direito a dizer que já chega, que já está farto”, rematou.

A Comissão Administrativa eleita e empossada é constituída por três elementos, Alberto Martins Fernandes, António Luís Vinhais de Magalhães e Manuel António Fernandes, que se propuseram gerir a Associação Humanitária “até à tomada de posse dos novos órgãos sociais” que se acredita ser possível “dentro de dois a três meses”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.