Quinta-feira, 20 de Janeiro de 2022
©EN

Curso de olaria quer preservar arte em vias de extinção

Corria o ano de 2016 quando a UNESCO classificou o barro negro de Bisalhães como património imaterial.

-PUB-

Cinco anos depois, está prestes a arrancar uma formação de oleiros, para não deixar morrer esta arte, que está em vias de extinção.

Atualmente, são seis os oleiros que mantêm viva a arte do barro preto de Bisalhães, sendo que quatro deles têm mais de 80 anos.

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.