Sexta-feira, 26 de Novembro de 2021
©DR

Daniel Teixeira sagrou-se vice-campeão na Supercars Endurance

Na última prova da temporada, em Jerez de La Frontera, o piloto da JT59 lutou arduamente para chegar ao título TCR na SuperCar Endurance Series, mas, na pista andaluza, alguns incidentes limitaram a sua ambição. Mesmo assim, fechou a época com mais duas grandes exibições e o 2º lugar no campeonato.

-PUB-

A história da corrida 1 teve duas partes antagónicas. Mercê de “um bom arranque, logrei ultrapassar o Hyundai, nosso principal adversário e subir para 2º dos TCR. Mas depois perdi a posição e acabou por ser uma corrida muito difícil. Percebi que a perda de rendimento do Cupra tinha a ver com a quebra da barra estabilizadora traseira e, a partir desse momento. O que também não me permitiu ter um andamento melhor”, gerindo até final, terminando a corrida no 4º posto da geral e 3º dos TCR.

Mercê de um trabalho intenso e eficaz, a equipa técnica do JT59 Racing Team/Bompiso conseguiu resolver o problema a tempo da Corrida 2. Mas, mais uma vez, a sorte não acompanharia Daniel Teixeira. Logo na primeira curva, o piloto sofreu “um toque do outro Cupra, que me fez ir à gravilha e ‘cair’ para os últimos lugares em termos de ‘geral’. Consegui recuperar, ascendendo ao segundo lugar absoluto, só atrás do Ginetta, mas à frente nos TCR. Isto até à paragem na box”, recorda.

Só que, a partir dessa paragem, a vantagem que tinha construído começou a desvanecer-se. E a razão foi técnica. “Na paragem na box, os meus adversários montaram pneus novos, enquanto continuei a utilizar pneus usados. E isso fez toda a diferença na segunda parte da corrida”, salienta, acrescentando que depois já não teve argumentos para recuperar essas duas posições. “Consegui dois terceiros lugares em termos de TCR e dois quartos ‘à geral’. Foi o resultado possível”.

Como balanço da época, o piloto transmontano diz que “este segundo lugar no campeonato não me deixa satisfeito, na medida em quando participo é sempre para ganhar e, logicamente, que o objetivo era ser campeão. Infelizmente não conseguimos. Desde já endereço os parabéns ao Gustavo Moura, que ganhou com mérito. Foi uma luta cerrada ao longo de toda a época, e como tal quem de nós vencesse o campeonato seria um justo vencedor”, sublinha Daniel Teixeira.

O piloto aproveita também para elogiar a sua equipa, no ano de estreia da JT59. “Fizeram um trabalho notável, num campeonato tão competitivo. E conseguimos estar sempre entre os mais rápidos, não entre os TCR, mas também à geral”.

Da mesma forma, Daniel Teixeira não esquece que foi o seu primeiro ano “a tempo inteiro”, salientando também a importância de todos os seus patrocinadores, “porque eles são indispensáveis para nós continuarmos a competir. Por isso, desde já o meu muito obrigado a todos eles”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.